23 julho 2009

Elisa Lucinda e Rubem Alves - A Poesia do Encontro(clique aqui)

Abaixo, estão os poemas citados no vídeo.


Quando te vi amei-te já muito antes.
Fernando Pessoa

Quando te vi amei-te já muito antes.
Tornei a achar-te quando te encontrei.
Nasci pra ti antes de haver o mundo.
Não há cousa feliz ou hora alegre
Que eu tenha tido pela vida fora,
Que o não fôsse porque te previa,
Porque dormias nela tu futuro.

............................................................
E eu soube-o só depois, quando te vi,
E tive para mim melhor sentido,
E o meu passado foi como uma 'strada
Iluminada pela frente, quando
O carro com lanternas vira a curva
Do caminho e já a noite é tôda humana.

...............................................................
Quando eu era pequena, sinto que eu
Amava-te já longe, mas de longe

... ...............................................................
Amor, diz qualquer cousa que eu te sinta!
-Compreendo-te tanto que não sinto,
Oh coração exterior ao meu!
Fatalidade, filha do destino
E das leis que há no fundo dêste mundo!
Que és tu a mim que eu compreenda ao ponto
De o sentir...? ...............................................................


Cessa o teu canto.
Fernando Pessoa

Cessa o teu canto.
Cessa, porque enquanto o ouço,
ouve a uma outra voz
como que vindo nos interstícios
do brando encanto com que o teu canto
vinha até nós.
Ouvi-te e ouvi-a
No mesmo tempo
E diferentes
Juntas a cantar.
E a melodia
Que não havia
Se agora a lembro,
Faz-me chorar.

Irene
Manuel Bandeira

Irene preta
Irene boa
Irene sempre de bom humor

Imagino Irene entrando no céu:
- Com licença, meu branco.
E São Pedro, bonachão:
- Entra, Irene. Você não precisa pedir licença.


Rei do mar
Cecília Meirelles


Muitas Velas. Muitos Remos.
Âncora é outro falar...
Tempo que navegaremos
não se pode calcular.
Vimos as Plêiades. Vemos
agora a Estrela Polar.
Muitas velas. Muitos remos.
Curta Vida. Longo Mar.

Por água brava ou serena
deixamos nosso cantar,
vendo a voz como é pequena
sobre o comprimento do ar.
Se alguém ouvir, temos pena:
só cantamos para o mar...

Nem tormenta nem tormento
nos poderia parar.
(Muitas velas. Muitos remos.
Âncora é outro falar...)
Andamos entre água e vento
procurando o Rei do Mar.
Cecília Meirelles

4 comentários:

Dulce disse...

Heli,

Que linda esta sua postagem, minha amiga! Adorei! Linda demais, viu?
Parabéns e obrigada pelo momento.
beijos

heli disse...

Dulce.
Que bom que gostou da postagem.Achei que ficou meio longa, mas adorei os poemas e não resisti, acabei colocando-os de uma só vez.
Rubem Alves é encantador em seu modo de ser.Gosto muito do modo com ele define as coisas.
bjs

Fernanda disse...

Olá Heli,

Realmente fabuloso!!! Adorei.
Beijinho
Fernanda

heli disse...

Fernanda.
Fico feliz que tenha gostado da postagem.
Os poetas são portadores de uma sensibilidade incrível e Rubem Alves consegue nos trazer lições de vida através dos poemas...
Volte sempre, você é sempre bem vinda!
bjs
heli