30 maio 2007

DEFICIÊNCIAS



DEFICIÊNCIAS

- Mario Quintana -
Escritor gaúcho nascido em 30/07/1906
e morto em 05/05/1994

"Deficiente" é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.
"Louco" é quem não procura ser feliz com o que possui.
"Cego" é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria, e só tem olhos para seus míseros problemas e pequenas dores.
"Surdo" é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão. Pois está sempre apressado para o trabalho e quer garantir seus tostões no fim do mês.

"Mudo" é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia.

"Paralítico" é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.

"Diabético" é quem não consegue ser doce.
"Anão" é quem não sabe deixar o amor crescer.
E, finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois:

"Miseráveis" são todos que não conseguem falar com Deus.

Vamos mudar de casa???

Universo pode ter bilhões de planetas habitáveis

Cientistas que localizaram 28 novos planetas orbitando outras estrelas no último ano dizem que o nosso sistema solar está longe de ser único e que pode haver bilhões de planetas habitáveis. As descobertas mais recentes elevam o total de exoplanetas (planetas que estão fora do nosso sistema solar) a 236, disseram pesquisadores nesta segunda-feira em uma reunião da Sociedade Astronômica Americana, em Honolulu, Havaí.

"Estamos começando a ver que nossa casa não é uma raridade no universo", disse Geoffrey Marcy, professor de Astronomia na Universidade da Califórnia em Berkeley, que comandou a equipe.

"Somos facilmente capazes de detectar planetas gigantes, como Júpiter e Saturno, em torno de outras estrelas. A maioria orbita distante da estrela, como nossos próprios Júpiter e Saturno orbitam o sol", disse Marcy em entrevista por telefone.
"É uma estrutura comum entre sistemas planetários." Novas técnicas permitem detectar planetas que não sejam enormes, embora objetos do tamanho da Terra ainda não possam ser vistos, disseram os pesquisadores, que divulgaram detalhes das suas conclusões no site exoplanets.org.
Quatro dos sistemas também têm múltiplos planetas, a exemplo do Sol, que tem oito planetas (Plutão foi "rebaixado"), além de objetos menores em sua órbita. "Estamos descobrindo que a maioria das estrelas tem não um só planeta, mas que, quando encontramos um, existe um segundo, um terceiro ou um quarto", disse Marcy.
"O atributo que realmente mais nos empolgou é este novo planeta que achamos há três anos", disse Marcy. Esse planeta, que orbita a estrela Gliese 436 e é parecido com Netuno, intriga os cientistas porque parece estar coberto de água ¿ embora seja dura como pedra e quentíssima, devido a pressões intensas que criam um estado químico não visto na Terra.
Reuters

Muito frioooooooooo....

Pois é Ney, está muito friuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu.....

Vou me "mudar " pro RIuuuuuuuuuuuu...hehehe...

Ia queria poder fazer como algumas espécies que migram no inverno....iria para um lugar bem quentinho...

CURITIBA 1 GRAU

Heli,

Se eu tivesse ai já estaria morto... QUE FRIO!!!

29 maio 2007

Miguxês

...pois é amigos, erramos algumas das palavras, mas acho que a coisa ainda vai mudar!!!!
Se estava difícil dar conta das questões da língua, agora vai melhorar...heheheh


NOVah LinGUah dos jOvenxXx

C vc estive tenu dificuldadis p entende a koluna dista semana...xame sua filha adolescenti i pessa a ela p t ajudah....u ke p vc eh 1 tarefa ardua...1 verdadeiru emaranhadu d siglas i deturpassoes da nobre lingua portugueza...p ela serah algu transparenti i intuitivu... sua filha faz parti d 1 gerassaum ke por konta da net - i da tecnologia em gerau - tah transformanu a linguagi i a manera komu as pessoas c komunicam. Mas nem todu mundu exagera na dose: u miguxes - kyberdialetu ke vc tah lenu nesti momentu - eh 1 das manifestassoes + extremas disti fenomenu...usadu principalmenti pelas meninas i entre grupus d amigus...kom 1 certa konotassaum d "qdu a amizadi eh verdadera...eh assim ke a genti c fala"...... d manera gerau us jovens "soh" encurtam as palavras...kriam siglas i novas grafias p palavras kom acentus...... afinau d kontas...nada + xatu du ke escreve kom acentuassaum. Tudu komesso kom us bbs...na epoca em ke a net engatinhava nu mundu i nu brasiu era 1 sonhu distanti. Us bbs eram mini (i bota mini nissu) internets privativas...kom usuarius kadastradus...trocas d arkivus i foruns d discussaum... dpois veiu u e-mail ...u xat...irc...icq i u msn...... foi nestas "siglas" ke esta nova lingua surgiu...difundiu-c i hj eh praticada intensamenti...... sem eskece...eh klaru...du sms...ke kom u boom da telefonia movel tb deu 1 boa forssa au movimentu...... nu kasu especificu du msn...existi ainda a febre dus emoticons - akelas imagenzinhas animadas ke vc podi kolah nu seu textu.... Esta nova linguagi iconografica tb foi adotada kom fervor pelus jovens: alguns xegam a escreve "frases" inteiras soh kom emoticons.

Só daqui a alguns anos teremos condições de mensurar o fenômeno: por enquanto não há registro "oficial", por mais que os grandes dicionários - agora com versões online - tentem surfar essa onda adicionando palavras e neologismos criados pelos adolescentes.

A única estrutura hoje capaz de absorver este conteúdo tem sido a enciclopédia coletiva Wikipedia, pois os próprios usuários colaboram com sua construção. No mundo de carne e osso, as primeiras conseqüências começam a aparecer e não são boas. Ainda não é o caso do Brasil, mas há países onde os jovens usam tanto a Rede e SMS que na escola já escrevem redações com forte presença de "miguxês". Estão desaprendendo a escrever. Tanto no sentido lingüístico quanto no físico: faz anos que digitamos muito mais do que pegamos a caneta para escrever. A juventude sempre teve seus códigos e gírias para não ser entendida pelos pais ou pela polícia. Hoje, pais ou aqueles que têm nos adolescentes ótimos consumidores, não precisam mais ficar ligados no que eles andam dizendo.

U LANCi AGoRAH eH SaBe u ki elExXx AnDAm DigITANU POr AIH... I PRAh tau...FaXXAh 1 kUrSU inTeNSivu dI "MIgUxXxeIxXx"...u Link abAIxXxu tI LEVarAh Au MIguxXxEitor...1 SiTi ki TraNsformaH QQ tExXxTU em poRtUGueixXx KoRRetU em 1 daxXx 3 (!!!) vERsoexXx exXxisteNtixXx dIStI DiAletu... Foi kUM elE ki EStAH kOLunAH FOi EScRITah...eH 1 boM koMEXXu I GaRanTiah di BOaxXx risaDAxXx......

Jornal do Brasil, 28 maio 2007.

Grande Renan...

... ele é do calheiros.

http://charges.uol.com.br/

27 maio 2007

A ADVOGADA BONDOSA

Advogada bondosa

...Certa tarde, uma bem sucedida advogada estava sendo conduzida em sua limusine para seu sítio quando observou dois homens maltrapilhos comendo grama ao lado da estrada.
Ela ordenou imediatamente ao motorista que parasse, saiu do veículo e perguntou:
-Por que vocês estão comendo grama?
-Porque nós não temos dinheiro para comprar comida - respondeu um dos homens.
-Bem, você pode vir comigo para o sítio - disse a advogada.
-Senhora, eu tenho uma esposa e três filhos aqui.
-Traga-os também - replicou a advogada.
-E quanto ao meu amigo?
A advogada virou-se para o outro homem e disse:
-Você pode vir também.
-Mas, senhora, eu também tenho esposa e seis filhos - disse o segundo homem.
-Eles podem nos acompanhar também - disse a advogada enquanto se dirigia de volta à limusine.
Todos se acomodaram como puderam na limusine e, quando já estavam a caminho, um dos acompanhantes disse:
A senhora é muito gentil.Obrigado por levar a gente com a senhora.
A advogada respondeu:
-De nada.Vocês vão adorar meu sítio. A grama está com quase um metro de altura!

OS COOPTADOS

Os Cooptados

Cooptar é verbo transitivo direto. Mestre Aurélio explica o significado: “admitir numa sociedade com dispensa das formalidades de praxe”. No Brasil de hoje, dispensa-se muito mais do que formalidades. Uma anestesia geral engaveta a consciência crítica e as convicções transitam diretamente para o esquecimento. Há aceleração do crescimento da mediocridade, dos ganhos financeiros – legais ou não – e da violência.
Assim, arquivados os sonhos e um projeto de nação, a lógica limitadora do “menos ruim” avassala corações e mentes. A naturalização dos escândalos e a degeneração política, com a alta do clientelismo rasteiro e do desinteresse, ameaçam a emergência da massa à condição de provo emancipado da demagogia e do paternalismo.
Assim, o crítico feroz de ontem, que considerava o presidente da República “avesso ao trabalho e ao estudo, fugidio de tudo o que lhe traga dificuldade e inapto para o cargo”, torna-se o palaciano de hoje, pensador do futuro com amnésia do passado. Adesão tão sinistra quanto a de partidos que, na última campanha eleitoral, demarcavam contra aquele que “traíra compromissos trabalhistas históricos”. Para calar a voz dissonante, não há mistério: ofereça-se um ministério. E aos adesistas de sempre, para os quais ser da situação e condição fisiológica de reprodução de mandatos, abram-se cargos a mancheias, sem qualquer preocupação com o saber técnico dos ocupantes.
Assim, a oposição conservadora, perplexa ao ver o adversário novamente vitorioso empunhar bandeiras que foram suas, como a do modelo econômico permanente e a “governabilidade a qualquer preço”, confunde-se com o mapa de navegação, muda de nome, mas não de projeto. Que é o de não ter projeto de governo exceto o de monitorar, suavemente, o funcionamento do mercado, deus-regulador de vida, corretor natural de todas as injustiças, desde Adam Smith.
... ... ... pulando alguns trechos...
Assim, a reprimarização da economia vira janela de oportunidade singular para o desenvolvimento (in)sustentável: o modernizante império das plantations do imenso canavial, abençoado pelas virtudes renováveis do agrocombustível, coloca véus na exploração do trabalho e na desertificação dos campos dos campos. O ciclo peromissor do etanol poder se tornar nossa contribuição nefasta ao aquecimento global.
... ... ... pulando trechos...
Assim, judicializa-se a questão criminal e o crime vai capturando também esferas do judiciário. Sem integração e reestruturação de policias e presídios, o engodo de mais prisão e “retirada de circulação” encobre a galopante e letal circulação de armas e cumplicidades. A venda de sentenças reforça a exaltação, para a juventude, da trajetória esperta e magistral onde tudo se compra para subir no tribunal do poder, do prestígio e do efêmero que pereniza.
Assim, a convocação operária, liderada pelo gigantesco aparato das grandes centrais sindicais, oferece casas no lugar de causas e imóveis sorteados para domesticar a mobilização. Pão individual, algum circo e preito ao capital substituindo consciência e organização dos que vivem do trabalho.
Assim... Ah, não! Não há apenas neoconformismo neste país em que os governantes costumam sair da História para cair na vida. Nem todos se acomodaram na terra de Macunaíma, “o herói sem nenhum caráter”. Nem tudo se diluiu. O pulso ainda pulsa e, aos poucos, cresce a consciência do grande mal-estar. Santo Agostinho dizia que “só mudamos impulsionados por um grande amor ou por uma grande dor”. Uma molecular rede, em todos os aspectos da vida social, revela que há solidariedade e luta cidadã. A percepção aguda de nossas dores aumenta, e nos põe em movimento.

CHICO ALENCAR é deputado federal.
Veja na íntegra em O Globo de hoje.

23 maio 2007

O TAMANHO DAS PESSOAS

O tamanho das pessoas
William Shakespeare

Os tamanhos variam conforme o grau de envolvimento.
Uma pessoa é enorme para você, quando fala do que leu e viveu, quando trata você com carinho e respeito, quando olha nos olhos e sorri destravado.
É pequena para você quando só pensa em si mesma, quando se comporta de uma maneira pouco gentil, quando fracassa justamente no momento em que teria que demonstrar o que há de mais importante entre duas pessoas: a amizade, o carinho, o respeito, o zelo e, até mesmo, o amor.
Uma pessoa é gigante para você quando se interessa pela sua vida, quando busca alternativas para o seu crescimento, quando sonha junto com você.
E pequena quando desvia do assunto. Uma pessoa é grande quando perdoa, quando compreende, quando se coloca no lugar do outro, quando age não de acordo com o que esperam dela, mas de acordo com o que espera de si mesma.
Uma pessoa é pequena quando se deixa reger por comportamentos clichês.
Uma mesma pessoa pode aparentar grandeza ou miudeza dentro de um relacionamento, pode crescer ou decrescer num espaço de poucas semanas.
Uma decepção pode diminuir o tamanho de um amor que parecia ser grande.
Uma ausência pode aumentar o tamanho de um amor que parecia ser ínfimo.
É difícil conviver com esta elasticidade: as pessoas que se agigantam nas críticas e se encolhem quando estão diante dos olhos que sabem "seus segredos íntimos e suas atitudes covardes fruto de sua própria insegurança".
Nosso julgamento é feito não através de centímetros e metros, mas de ações e reações, de expectativas e frustrações.
Uma pessoa é única ao estender a mão; e ao recolhê-la inesperadamente, se torna mais uma.
O egoísmo unifica os insignificantes.
Não é a altura, nem o peso, nem os músculos que tornam uma pessoa grande...é a sua sensibilidade, sem tamanho...
E ainda dizem que "interferência" é atrapalhar o caminhar do próximo. Na maioria das vezes é despertar a "coragem e a capacidade" nos covardes e incompetentes.
A esperança está na certeza que estes se rendem diante da própria imagem diante do espelho que se olham a cada dia mais infelizes.
William Shakespeare

NO INSS

NO INSS

Um aposentado vai ao INSS e a atendente pede sua carteira de identidadepra confirmar sua idade. Ele procura nos bolsos e percebe que esqueceuo documento em casa.
- Vou até lá buscá-la e volto em seguida.
A mulher lhe diz:- Desabotoe a camisa.Ele abre a camisa revelando o cabelo grisalho do tórax e ela comenta:
- Esse cabelo prateado é prova bastante para mim, e processa odocumento pedido.
Quando ele chega em casa e conta para a mulher a experiência no guichêdo INSS, ela lhe diz:- Você devia ter baixado as calças.
Ia conseguir uma aposentadoria por invalidez...

Estrelas....

DAS UTOPIAS

Se as coisas são inatingíveis... ora!
Não é motivo para não querê-las...
Que tristes os caminhos se não fora
A mágica presença das estrelas!

Mario Quintana - Espelho Mágico

22 maio 2007

ESTRELA CADENTE II

A que exigiu uma estrela-candente !


Na visão fantasiosa dos meninos dava gosto ver as flores desfilarem juntas, inseparavelmente juntas. Uma, alva como o lírio, a boca de carmim, os dentes alvos tal o marfim e os cabelos negros como a noite, além, era claro, dos sorrisos fartos e que mais pareciam sementes jogadas sobre os campos que esperavam as chuvas, e mais das vezes parecendo um postal antigo, tal a beleza que irradiava. A outra, morena, também com a boca de carmim, os dentes alvos como o mármore, os cabelos também negros e o riso farto como o sol e mais das vezes parecendo com alguma coisa que houvesse germinado da própria terra, telúrica, a aquecer os campos semeados, tal uma deusa. A primeira, Mirian, um nome clássico. A segunda, Eluza, um nome brejeiro e com os ares do sertão. Na nossa visão infantil ficávamos maravilhados com aquelas duas flores das tardes sertanejas. Mas elas estavam longe das nossas pretensões por serem moças já em idade de casamento. Tínhamos que nos contentar com as meninas da nossa idade: que sorriam das janelas, que mandavam recados, ou então com as que temiam mesmo serem abordadas para um elogio, tal a inocência dos nossos anos.
Hábito comum era o de escrever poesia nos albuns de recordações, que as meninas cobriam com capas delicadas. Uma vez escrevi num certo album: "Teus cabelos são fulvos, fulvos \ como a tarde ao por do sol.\ São bonitos, são profusos \ tal a canção do rouxinol." Mas nada nos dava a certeza da conquista. Por vezes tudo falhava. E sobrevínha-nos algum sofrimento. E naquelas horas costumávamos analisar os nossos fracassos. E numa daquelas ocasiões, sempre durante a noite, Guido chegou e foi nos dizendo:
– Sei de um jeito que não falha !
Foi grande o nosso espanto. E quase todos perguntamos, ao mesmo tempo:
– Então fale logo.
Guido brincou com os dedos da mão, olhou-nos e ficou rindo. Insistimos. Ele pediu calma, todo importante. Depois, mais importante ainda, começou:
– Muito simples ! Basta olhar o céu durante a noite, esperar uma "estrela-cadente" correr no firmamento e fazer um pedido dizendo o nome da menina que deseja amar. Depois passar na igreja e rezar uma oração em agradecimento.
Ficamos perplexos e intrigados e desconfiados com a simplicidade da questão. Foi aí que Guido insistiu:
– Mas não é simples. Só se tem direito a uma única escolha.
Respiramos fundo e quase falamos ao mesmo tempo:
– Assim é fogo! Isso é uma armadilha!
Noites e noites fiquei a olhar o céu, abrindo a janela depois que os meus pais dormiam, em busca da minha "estrela-cadente". Na hora em que uma corria no firmamento eu ficava tomado de dúvidas sobre o nome da menina escolhida, e perdia a minha estrela e a minha chance. E nos dias seguintes procurava reconferir meus sentimentos. Mas, um dia, uma menina vinda de outra cidade ribeirinha me acendeu os sentimentos. E pensei:
– É ela ! Não tenho dúvidas !
Na mesma noite olhei o céu. A "estrela-cadente" passou. Fiz o pedido. Na manhã seguinte fui à Igreja-Matriz e rezei. Esperei ! E tivemos um frágil e inocente ensaio de amor.
Noutro dia, lá do passado ( o do destino ? ) mudei-me para a capital.
Anos depois, numa noite, me disseram:
– Ela se casou com um professor do ginásio !
Olhei o céu e fiquei a rastrear estrelas. Depois ri e me lembrei de que nem precisei de estrela-candente nem de orações para encontrar o meu grande amor, uma professorinha tímida no olhar e no sorriso, que vi pela primeira vez atravessando uma pracinha, numa linda manhã de sol

ESTRELA CADENTE

Clique sobre a imagem para ampliá-la.

Estrela cadente é um fenômeno astronômico que acontece raramente. As estrelas cadentes são cometas ou meteoritos que caem sobre a Terra. Estrelas cadentes são fenômenos luminosos produzidos pela entrada na atmosfera terrestre de um conjunto de meteoróides que surgem quase simultaneamente e parecem provir da mesma região do céu dando a impressão de uma chuva de estrelas. Os meteoróides tem a tendência de girar em torno do Sol em enxames e a Terra passa através de vários enxames todos os anos. No momento que a Terra atravessa uma dessas correntes de meteoros, ocorrem as denominadas chuvas de estrelas cadentes. Toda chuva de meteoros parece ter sua origem num ponto particular do céu denominado de radiante. Alguns enxames de meteoros estão associados a determinados cometas.
É tradição popular formular um
desejo quando se vê uma "estrela cadente".
Estrelas Cadentes
Na verdade não são estrelas, são
meteoróides que entram na atmosfera terrestre, sofrem intenso atrito com o ar que envolve nosso planeta. O aquecimento gerado pelo atrito faz com que os meteoros cheguem a pegar fogo. Com isso ocorre a emissão de luz própria, permitindo que eles possam ser vistos.

Estrela cadente
A estrela caiu rapidamente deixando um riso dourado no céu.
Estrela cadente, atenda meu pedido,
Que seja só um a atender.
Arranque este meu sofrer,
Transforme meus jardins,
Coloque flores nos canteiros vazios -flores rubras - ,Mas deixe os espinhos.
Minhas mãos já se acostumaram a eles.
Estrela cadente,
Mate minha sede com suco gelado de graviola.
Deixe escorrer pela minha garganta a seiva grossa e úmida
Que alegra o peito e o sexo.
Não! Não diga não!
Não me deixe pros abutres:Estas aves de bicos finos já perfuraram minha alma
E agora, com paciência,
Estão destruindo meus sonhos.
Levaram pelas garras a única coisa que é minha:a dor.
Estrela cadente,
Traga na sua cauda um anjo bom de cabelos loiros eolhos azuis.
Ficarei aqui fitando o céu com olhos gulosos,
Preso às minhas mordaças a esperar
Que por este céu uma estrela despenque,
Deslize suave e venha pousar,
Como borboleta amarela,
Bem na palma da minha mão.

CADÊ NÓS?


ESTAMOS SUMIDOS...


DEPOIS DE MUITOS ANOS VOLTEI PARA A TVA, FORAM TANTOS CONTRATEMPOS NESSA INSTALAÇÃO, CHEGUEI A PEDIR O CANCELAMENTO, MAS RESOLVI DAR UM CRÉDITO, ESTOU TENTANDO, DIFÍCIL A COMUNICAÇÃO COM ESSES ATENDIMENTOS CIBERNÉTICOS.

MAIS AGORA ESTÁ NO DIGITAL, UMA BELA IMAGEM, EU SOU UM CINÉFILO INCURÁVEL, AI FICO VENDO FILMES E MAIS FILMES, VIAJANDO NA SÉTIMA ARTE, NO MUNDO DA FANTASIA, MAS AINDA ESTOU ON LINE.


No endereço abaixo tem algumas curiosidades da sétima arte:



Para mim Rita Hayworth foi a sua maior musa, a maior de todas as estrelas...

20 maio 2007

Van Gogh e Liz Taylor

pois é...

...quem pode, pode!!!!


Tribunal decide que Liz Taylor pode ficar com tela de Van Gogh

Por Aque a atriz Elizabeth Taylor poderá ficar com uma tela de Van Gogh, que pode ter sido roubada por nazistas, porque a família que era sua proprietária no passado demorou demais a pedir sua devolução.
Por Adam Tannerdam Tanner SAN FRANCISCO (Reuters) - Um tribunal de apelações dos EUA decidiu na sexta-feira

SAN FRANCISCO (Reuters) - Um tribunal de apelações dos EUA decidiu na sexta-feira que a atriz Elizabeth Taylor poderá ficar com uma tela de Van Gogh, que pode ter sido roubada por nazistas, porque a família que era sua proprietária no passado demorou demais a pedir sua devolução.
"Isso afirma minha grande crença no processo judicial norte-americano. Estou muito grata", disse Taylor em um comunicado. "É magnífico ter o Monsieur Vicente Van Gogh na minha sala de estar."
Liz Taylor, 75 anos, comprou o quadro de 1889 "Vista do Asilo e Capela de Saint-Remy" num leilão da Sotheby's em Londres, em 1963, por 92 mil libras --mais ou menos 257 mil dólares na época. A tela fica em sua residência na região de Los Angeles.
Pintada por Van Gogh no final de sua vida, o quadro vale muitas vezes mais hoje no mercado de arte extremamente valorizado.
A família Orkin, composta de descendentes canadenses e sul-africanos de Margarete Mauthner, uma judia que fugiu da Alemanha em 1939, moveu uma ação contra Taylor em 2004, afirmando que a tela foi confiscada pelos nazistas e deveria ser devolvida sob os dispositivos da Lei de Ressarcimento das Vítimas do Holocausto, promulgada nos EUA em 1998.
Elizabeth Taylor disse que ela é a proprietária de direito do quadro e afirmou que, antes de ser comprada por ela, a pintura passara por dois marchands judeus, sem qualquer sinal de coerção nazista.
"Temos prova de que o quadro foi vendido no final dos anos 1920", disse após a decisão Jonathan Bloom, um advogado de Taylor.
Em sua decisão, o painel de três juízes da 9a Corte Distrital de Apelações dos EUA confirmou a decisão de um tribunal de nível inferior, decidindo que a família Orkin esperou tempo demais para reivindicar a devolução do quadro, que se sabia estar na posse de Taylor há muito tempo.
"Fica claro que a aquisição do quadro por Taylor poderia ter sido descoberta pelo menos desde 1990, quando ela o ofereceu num leilão internacional, e provavelmente desde 1963, quando ela o adquiriu num leilão internacional altamente divulgado", escreveu o juiz Sidney Thomas.
De acordo com o juiz, qualquer reivindicação de devolução da tela "perdeu valor em ou antes de 1993, três anos após o último anúncio público de que ele pertencia a Elizabeth Taylor."
Estrela de filmes como "Gata em Teto de Zinco Quente", "Cleópatra" e "Assim Caminha a Humanidade", Elizabeth Taylor começou a colecionar obras de arte na década de 1950, com a ajuda de seu pai, que era marchand, e já foi dona de obras de Monet, Renoir, Degas e outros mestres.

19 maio 2007

Os vendedores de doenças

Os vendedores de doenças

As estratégias da indústria farmacêutica para multiplicar lucros espalhando o medo e transformando qualquer problema banal de saúde numa “síndrome” que exige tratamento...

Quem quiser dar uma espiadinha ....

18 maio 2007

Quemmmmmmmmmmm????

Gente, eu não sei quem é o cara que vocês estão procurando!!!hahahah

17 maio 2007

DISALOJA...

Um cidadão comenta sua situação aflitiva com um amigo, crédulo de uma igreja evangélica:

- Eu estou numa maré braba. Estou sem crédito na praça, devendo todo mundo. Não vejo solução. Já pensei em me matar. Estou desempregado e sem dinheiro, cheio de contas e carnês atrasados. Não há nada que dê jeito nessa situação. Já perdi a esperança! Acho que já estou doente e vou morrer mesmo...

O Evangélico então diz:
- Calma! Não é nada disso... Você precisa de ajuda espiritual. Você conhece a minha igreja? Pois é, na quarta-feira, tem uma Sessão de Descarrego onde todos são curados ou aliviados, com uns 20 pastores e muita fé. Vai lá... Vamos te salvar!

Na quarta-feira, o cidadão vai. No meio do culto é chamado ao palco e, entre outros, um pastor o agarra e brada:

- Sai desse corpo, demônio! Disaloja! Esse corpo não te pertence! Em nome de Jesus, te afasta deste homem bom!
E colocando a mão em sua testa, brada:
- Estou ordenando: Em nome de Jesus, Disaloja... Disaloja... Disaloja!
E o cidadão assustado começa a gritar:
- Casa Bahia! Arapuã! Lojas Americanas! Ponto Frio Bonzão! C&A! Lojas Marisa! Riachuelo! Lojas Renner!

O CASAMENTO... Antes e depois

Recém casados, marido e mulher deitados na cama.

Ela sente uma mão dele acariciando o ombro dela.
Ela: "Ah, que sensação gostosa!"
A mão dele passa pelos seios dela.
Ela: "Nossa, querido, isso é maravilhoso!"
A mão dele passa entre as coxas dela.
Ela: "Oh, amor, não pare!"
E eles fazem amor a noite toda.
../............... ../...
Após alguns anos de casados, marido e mulher deitados na cama.
Ela sente uma mão dele acariciando o ombro dela.
Ela: "Ah, que sensação gostosa!"
A mão dele passa pelos seios dela.
Ela: "Nossa, querido, isso é maravilhoso!"
A mão dele passa entre as coxas dela.
Ela: "Oh, amor, não pare!"
Mas ele para.
Ela: "Por que você parou???"
Ele: "Achei o controle remoto..."

HELI

Estávamos procurando esse tal de AFONSO ALVES, convocado pelo Dunga. Parece ser mais um ESPETÁCULO...

QUEM É AFONSO ALVES ???

Dunga convoca Afonso Alves, que joga na Holanda, mas no Brasil ninguém conhece AFONSO.

QUEM É AFONSO ALVES ???

15 maio 2007

Gente!!!


Cadê vocês???!!!
Não sumam, por favor....

Temos muitas coisas para fofocar por aqui ainda...heheh

13 maio 2007

A escola, as mães, a vida....

Na escola Ney, descobrimos que somos mães de mais de 6, ou 8 problemáticos.
E pode estar certo, sempre é fundamental aquela conversa que seus "mestres" tiveram no sem momento de formação.
Oque ocorre é que muitas vezes queremos resolver as coisas pela força e esquecemos que no diálogo franco, está a solucão mais fácil para as coisas que nos incomodam.
Eu tenho alunos com muitos problemas familiares, mas quando eles estão na escola, a nossa sala torna-se um lugar de respeito mútuo e eles adoram estar ali...e eu também!!!
Nesta semana um aluno justificava o fato de não ter feito sua tarefa de casa porque uma tia saiu da prisão e foi para sua casa e causou grande agito(segundo ele) por lá e por isso ele não fez a lição de casa!
O que me deixou feliz, foi a confiança que ele demonstrou sentir em mi, pois ele me disse que faria tudo certinho para o dia seguinte, e que ele teve um motivo justo de não realizar a atividade porque foi perturbado em seu ambiente familiar e preferiu chegar na escola, explicar o ocorrido e contar com minha compreensão...

Esse garoto tem problemas seríssimos na fala, é gago e tem soro positivo de HIV....

Não é fácil, mas temos que acreditar na vida, na formação de seres sem esperança e seguir em frente...

E tem mais
Eu amo os "meus 6 fora dos padrões", tanto quanto aos que estão dentro dos padrões esperados, e eles retribuem a esse amor de forma impossível de descrever...

Pois é....

Dia especial!

Pois é, esse parece ser um dia especial e as homenagens 'as mães são muitas.

Recebi uma mensagem de um grupo que participo que achei interessante:



DIA DAS MÃES NA VERSÃO ANIMAL


Bom! Falamos do dia das mães, a fêmea raça humano, das fases da vida, um pouco do lado bom, outro tanto do lado não tão bom, Não diria mal, diria mais ou menos, sofrível, para não denegrir tanto. Resolvi fazer uma homenagem às fêmeas do reino animal, chamados " irracionais". Coloquei entre aspas, porque eles são assim chamados, mas só matam para comer, para defender a si e a sua prole, enquanto nós, os " racionais", matamos indiscriminadamente, pelo ódio, pela perversão, por ganância, pelo descaso, pelo desamor, por psicopatas que estão soltos nas ruas das cidades em todo mundo.
Moro num apartamento com 100 metros quadrados, que além de criar meus filhos, criei ao mesmo tempo, uma poodle, uma tartaruga, tinha um aquário de água salgada de 180 litros, uma gaiola com nove periquitos, e outra com seis hamsters, e um pinto que minha filha trouxe da escola, que cresceu e dei, acabando na panela do dito cujo. Os hamsters fugiam de noite, e levavam comida na boca e depois encontrávamos os locais onde eles deixavam e se reproduziam como loucos; os periquitos faziam um barulho imenso, numa gaiola grande, é claro; a tartaruga que não cheirava nem fedia, vivia andando sem muito alarde; a poodle quando ficava estressada, partia para a revanche, do tipo, derrubar o cesto de lixo do banheiro e levar os papeis para a sala, subia na mesa e coloca-los lá, entre outras coisas. Até hoje, eu não sei como ela fazia isso! Os visinhos começaram a reclamar, e com toda a razão.
Meu foco principal nesse momento é a gaiola dos periquitos. O que há de especial? No inicio era apenas um casal, que procriou a valer. Na última ninhada, a fêmea, amarelinha, ficou tão estressada que resolveu partir para ignorância. Explico. Ela estava com uma ninhada de cinco filhotes, cuidando deles, e os quatro machos adultos que restavam na gaiola, pois eu havia dado o que pareciam ser dois casais, queriam usufruir o direito de acasalar. Só ai, tomei conhecimento do tamanho da minha ignorância. Eram quatro machos e uma fêmea dentro da gaiola. Eles sabiam quem era o macho e a fêmea, eu não.
Os meus filhos deram nomes a todos eles, e ela chamava-se Elis. Elis quando se assoberbada de trabalho e acuada por quatro machos, resolveu por fim na exploração. Seu estado de estresse era tamanho que ela emagreceu, os olhos ficaram fundos, numa irritação que supera qualquer mulher em fase de TPM. Certo dia, ouvi os " gritos" de horror na gaiola, fui até lá para ver uma cena dantesca. Um dos machos resolveu mexer com a garota, logo quando ela estava cuidando dos filhotes. Não deu outra, ela partiu para o ataque, montou em cima do pobre macho, e largou o bico pra cima, voaram penas a valer, ferido na cabeça, conseguiu se desvencilhar dela, mas ela agarrou-o pela pata, e tome bicada. Tentei apartar, mas foi em vão. Meu marido interferiu e agarrou o pobre do macho, e ela partiu para atacar o dedo do meu marido, bicou ele também, pois ela queria mesmo era acabar com ele. Mas não parou por ai. Peguei uma gaiola menor e separei a fêmea e os filhotes. Certo dia, fui mudar a água, colocar comida, limpar a gaiola, e inadvertidamente, deixei a fêmea fugir. Ela foi embora, abandonando os filhotes, voou e se refez, quis voltar pro ninho, mas não lembrava onde era o andar e foi para na casa da vizinha, que não me devolveu a fêmea. Fiquei observando a cena da área de serviço, sem poder fazer nada. Tentei alimenta-los, mas não deu, coloquei-os dentro da gaiola dos machos. A coisa ficou preta. Eles mataram um a um, não mataram todos de uma vez.
Sabem que aconteceu! Desses cinco filhotes uma era fêmea; essa eles alimentaram até que ela criou penas e saiu da toca. Para felicidade deles tinha uma fêmea novamente no lar. Perdi a paciência e dei os periquitos. Que alivio!
Fatos seguintes. Dei os periquitos, dei os hamsters, devolvi os peixes ao mar, vendi o aquário, dei a tartaruga para o zoológico, e fiquei apenas com a Kika (poodle), que a essa altura havia se tornado numa lady, mais comportada, mas fina, pois atualmente está 10 anos. Mas, até esse momento, ela fez muita travessura. Se suas vontades não fossem satisfeitas, podia contar que viria retaliação.
Resolvi cruza-la e ela pariu três filhotes, dei dois e fiquei com a filha que se chama Belinha que nasceu na mesma época da Belinha de Ana Maria Braga. Aliás, a minha Belinha, que carinhosamente chamamos de Bebe, e ela atende tanto por um como pelo outro, é mais bonita, pois é albina. Tem olhos e focinho castanho. A Belinha também se acha dona do pedaço, e de vez em quando, parte para a ignorância do tipo, rasgar o meu colchão porque ela havia ficado sentida por eu ter batido nela, em decorrência dela de uma arte anterior, por não descido para passear com ela, fez xixi na minha cama. Limpei o colchão, coloquei álcool e sai, quando retornei, ela havia arrancado pedaços. Tive que comprar outro novo. Dessa vez, coloquei-a de quarentena por dois dias sem ter direito a deitar no sofá da sala.
Falando em mãe, a Kika, a Elis sempre deram exemplo de dedicação. A ainda hoje, Kika defende sua cria, se alguém resolver fazer alguma coisa com a Belinha, e olha que ela já está com quatro anos, ela parte para cima do desavisado, vira uma fera. A Belinha é dona do meu segundo filho. E, isso implica que eu não posso se quer, sentar em sua cama. Aliás, eu sou o último recurso que ela procura em caso de aperto. Em compensação, Kika esta sempre ao meu lado. Acho que o nome disso é ciúme.
Mas, algo me chamou a atenção. Do mesmo modo em que vão as últimas conseqüências para defender sua ninhada, para garantir seus direitos, sentem-se no direito da abandonar o ninho. Há muitas mães humanas que fazem o mesmo. Fico pensando, será que temos o direito de critica? Ser mãe tanto no reino animal, quanto no reino do ser humano não é nada fácil. Precisa-se de muita dedicação, amor, desprendimento. Exige-se muito mais do que se pode humanamente agüentar. Inclua nessa lista a paciência, muitas vezes, deixar de usufruir muitas coisas em favor dos da sua casa. Claro que há exceções! Acho que muitas! Mas, essa é outra história

PENSANDO AQUI...

Esse texto do triângulo, dos vértices, das 34 crianças e 6 problemáticas, da ausência da família, foi colocado pelo autor de forma bem realista, até com um pouco de frieza. É uma verdade, uma constatação, um fator muito estressante para toda a turma, para o professor principalmente, responsável pela turma. Difícil aturar uma aula interrompida a todo o instante.
Há algumas outras situações de casos excepcionais, de crianças com dificuldades; outras que chegam de escolas num nível mais baixo; outras que foram excluídas de escolas mais rígidas, que buscam alcançar melhor rendimento e expulsam o grupo problema. Nem sempre é só a família que está ausente, podem existir outros motivos. Tem até aqueles que dizem que pode ser deficiência do professor, que numa boa aula todos prestam a atenção.
Não é um assunto muito da minha área, mas vivi um pouco isso na minha época de escola. Teve um tempo que acho que pertenci a esse grupo de 6, não levava muito a sério, devo ter sido disperso e inconveniente. Eu estudava no Salesiano e fui chamado com outros para uma conversa com os orientadores educacionais, O Padre Elíseo e o Valmor (Psícologo), pessoas muito queridas no colégio. Puxa! Foram bons papos, elas sabiam conversar. Começavam dizendo que éramos meio moleques, mas bons meninos, que acreditavam na gente, e a coisa funcionava.
Foi nessa época, que de 11 matérias, eu estava no vermelho em 7 (no meio do ano), e me dei conta que não era esperto, era um otário (Mané). Ai parti para mudar de rumo, e cheguei no final do ano só em 3, mas tive que repetir. Dai em diante foram só conquistas, com a ajuda de bons professores que existiam, e cheguei na Universidade Federal direto, sem aquele ano de curso vestibular, recuperando o ano que havia perdido. Sempre vale a pena.
Pois é Heli, é uma nobre tarefa a sua, vale a pena acreditar.

Já o nosso amigo Jards pega a turma complicada lá na marginalidade, mais difícil ainda, uma tarefa arriscada, principalmente nos nossos dias. Não conte pra ele, mas lá no fundo, eu torço para ele voltar para a Arquitetura, formação que conquistou na Universidade Federal. Mas essa é uma decisão dele, que nem depende só dele, porque esse mercado de trabalho é muito difícil, competitivo, conquistar um espaço não é nada fácil.

E já que falei de montão nessa minha volta, vou me alongar: Sexta-feira fui ver o O HOMEM-ARANHA. Nossa! Até ele caiu na violência. Foi possuído por uma gosma preta e ficou mau, batendo em todo mundo e até na noiva no meio do salão. O tal do homem areia é um exagero e acho que embolou o meio de campo, o Homem-Aranha não é mais aquele... achei um tédio, não merece mais a noiva. Acho que essa turma das novelas da Globo andou metendo a colher na história do Aranha, o cara ficou complicado, polêmico.

E voltando um pouco ao assunto anterior, ainda dentro do cinema. Fui numa sessão de versão dublada do Aranha, a garotada aprontou no cinema (o grupo dos 6), toda hora tinha confusão, lanterninha, gerente, bate boca, os que reclamam são mais exaltados que a criançada. Sai da confusão, fui acabar de ver o filme no corredor, em pé. Eu sei que a omissão tem culpa nisso tudo que está ai, mas não era minha tarefa, tinha gente especializada para isso. Eu já estou meio velho, tenho os filhos, os netos, pago meus impostos, acho que faço a minha parte, dou o melhor de mim.
Até a ÉTICA está no grupo dos 6, dos 40 ladrões, a turma não pára de crescer. //////////

APARECENDO

Puxa! Tempão que não apareço, é a vida agitada de aposentado. Mas estou sempre na área.

Heli,
Feliz dia das mães!

10 maio 2007

TRIÂNGULOS

Leio esse tipo de texto e fico a me perguntar?

Onde foi que eu errei???Hehheh

TRIÂNGULOS


Rubens Portugal


Você pode olhar para uma turma de 1ª a 4ª série de duas maneiras diferentes. Você pode ver,pura e simplesmente, 34 crianças sentadas em suas carteiras com sua professora à frente, ou então 34 triângulos. Cada triângulo consiste na professora em um dos vértices. Nos outros dois vértices, você vê a criança e sua respectiva mãe. Você pode escolher, portanto, uma dessas duas maneiras de ver.
Quando optamos por ver triângulos, significa que temos 34 situações familiares por trás de cada criança. Quando escolhemos simplesmente 34 crianças em suas carteiras, podemos estar desprezando a família como importante fator.


Ausência e irresponsabilidade


Estatisticamente, numa turma com 34 crianças há a média de seis que nos preocupam muito mais do que as demais. O inferno existe, sim: é o dilema que a professora enfrenta diariamente. Ou ela dá atenção redobrada e estressante para os seis peraltas inquietos e desatentos ou cuida dos 28 não preocupantes.

As duas alternativas são traiçoeiras.


As professoras experientes percebem que têm, na verdade, 28 crianças tranqüilas, misturadas com seis triângulos preocupantes. Por quê? Porque no caso das 28, a professora já sabe que as mães existem no imaginário ou no plano afetivo de cada uma delas. No caso das seis problemáticas ou preocupantes, a professora experiente também já sabe que a causa dos problemas está no vértice complicado, a mãe.
Os seis triângulos preocupantes têm, infalivelmente, o vértice crítico na mãe que ou é ausente, ou irresponsável, ou interditada. Não importa saber a causa da ausência, da irresponsabilidade ou da interdição. Importa perguntar como dar a orientação correta para a criança que está desamparada na floresta da vida. Na mitologia romana, Remo e Rômulo, os fundadores de Roma, estavam assim abandonados e foram criados por uma loba, conforme nos conta Virgílio em seu poema épico, Eneida.


Um rumo para os preocupantes


O ideal é tratar as crianças problemáticas individualmente em laboratório psicológico, dando a elas atenção personalizada.
Nas redes públicas do Brasil, é inviável essa solução ideal. Está, pois, nos ombros dos dirigentes escolares encontrar maneiras práticas para ajudar a professora a sair do seu inferno diário. As 28 crianças disciplinadas merecem o melhor da sua atenção e ternura.
Por outro lado, os seis triângulos problemáticos constituem-se em sobrecarga insuportável se não se conseguir oferecer tratamento personalizado, talvez em outros horários (contraturno) para aquelas seis crianças e se não pudermos oferecer assistência familiar adequada para as mães.
O assunto merece a atenção das autoridades educacionais em todos os níveis. Basta lembrar que estamos falando de 7.500.000 Rômulos ou Remos. O poeta romano Virgílio ficaria assombrado diante dessa nossa pretensa mitologia brasileira.

09 maio 2007

O ÚLTIMO CHEQUE

O ÚLTIMO CHEQUE

A filha faz 18 anos e o pai está todo feliz por emitir o último cheque da pensão que paga à ex-mulher, há 17 anos e 11 meses.
Pede à filha para levar o cheque e que retorne rapidinho para contar-lhe como ficou a cara da BABACA da mãe dela, ao dizer-lhe que este é o último cheque dele que ela verá.
A filha entrega o cheque à mãe, ouve o que ela diz e volta à casa do pai para dar-lhe a resposta.
- Diga filha, qual foi a reação da BABACA DA SUA MÃE?
- Ela mandou lhe dizer que você não é meu pai.

07 maio 2007

UMA MISSÃO QUASE IMPOSSÍVEL

SER ESPOSA, MÃE E CUIDAR DO LAR-UMA MISSÃO QUASE IMPOSSÍVEL



Está chegando o dia das mães! Todo o ano é a mesma coisa. As propagandas para você gastar seu dinheiro comprando presentes, que na maioria das vezes, está mais para presente de grego, pois compram-se ventiladores, máquinas de várias modalidades e usos, ferros, liquidificadores, vassouras, etc.
E as músicas então! Vocês lembram da música: “mamãe, mamãe, mamãe... eu te lembro chinelo na mão, avental todo sujo de ovo; se eu pudesse, queria outra vez mamãe, começar tudo, tudo, de novo...”, cantada pelo Agnaldo Timoteo. Fala sério! Nem pensar! Que mãe relaxada, provavelmente descabelada, com a camisola da noite que não teve tempo de tirar. Minha nossa, é de arrepiar! Cadê o tempo para a vaidade, para cuidar das unhas, cortar e escovar os cabelos, comprar um vestido dentro do orçamento para deixar de ser a “Catarina renegada” Puxa, que aflição!
Ser esposa, mãe, cuidar da casa, trabalhar fora, estudar, são atribuições que tem sido somada a vida da mulher. No inicio de tudo, quando o homem ainda vivia em “estado de natureza”, como afirma Rousseau, todas as coisas eram comuns. Depois surgiu a sociedade, a necessidade de legitimar a família, para que pudessem deixar seus bens. A partir daí surgiram funções especificas. Pois bem, para a mulher ficou a parte mais pesada. Além de gestar uma criança nove meses, acompanham mudanças físicas que inclue o desgaste físico da mulher, dos enjôos, dos inchaços, das varizes, segue-se horas de dor para que finalmente o mundo possa ver o rosto de seu novo habitante, da depressão pós-parto, a perda das formas, mas, isso não é o fim, é o começo de uma vida de muito trabalho, preocupação, alegrias e tristezas. Nós somos o sexo frágil? Essa não é a minha leitura!
Comecei a fazer o levantamento do dia de uma mãe, cansei só de falar. Imaginem-se vivenciar essa rotina. Levanta entre as 5 e as 6 horas da manhã, corre para cozinha, faz o café, cuida dos filhos menores, apronta-os para a escola, prepara o lanche, tomam café, descem apressados, entram no carro, ou vão para o ponto de ônibus, deixa as crianças, volta para casa, lava os pratos do café, arruma a cozinha, coloca a roupa na máquina, varre a casa, forra as camas, tira a poeira dos moveis, corre para a cozinha, começa a preparar o almoço, enquanto isso corre e estende a roupa, retorna ao fogão, termina o almoço, corre para pegar as crianças na escola, chegam em casa, almoçam todos. E, ela continua: lava os pratos, arruma a cozinha, vai descansar, porque ninguém é de ferro. Levanta, prepara o café enquanto ensina as tarefas das crianças. No dia de passar toda a roupa lavada? Lavar o fardamento escolar, então? Nem a super Nany dá conta. E quando eles adoeciam?
Quando a mãe que trabalha fora, dobram-se os encantos. A pobre vitima da natureza carrega consigo a culpa de não estar presente nas horas mais importantes, como a primeira palavra, quando começaram a andarem sozinhos, e tantos outros momentos, cuja preocupação aumenta, por medo de ver seu filho criado pela empregada, ou passar o dia numa escola, porque é preciso trabalhar para dar, para ter, para usufruir o melhor.
O tempo vai passando, eles vão crescendo, e as preocupações vão mudando. Agora, eles já fazem as tarefas sozinhos, tomam banho, vestem-se, arrumam o quarto quando dá na telha, mas, agora a preocupação é com o horário em que chegaram em casa, diante da marginalidade e insegurança em que estamos vivendo. Vêm os namorados e namoradas, os sentimentos, os hormônios, os medos que acompanham os pais. Deles também! Os filhos crescem, mas as preocupações também! Passamos à vida orando, incentivando, alertando, corrigindo, orientando, brigando com eles e por eles. Cada mãe tem dentro de si, o espírito de uma leoa capaz de atacar aqueles que ousarem mexer com a sua ninhada.
Aí, um belo dia, sua prole cresceu o suficiente para encontrar alguém e decidem fazer o mesmo que você e seu marido fizeram. Com o passar do tempo, você antes tão necessária, agora se vê esquecida, como um trapo velho, sendo visitada a cada mês. Aquela jovem do passado que criou, cuidou para que esses filhos crescessem com saúde, tivessem o melhor, freqüentassem boas escolas, que passou horas ensinando as tarefas da escola, outro tanto no fogão, outro tanto limpando, espanando, lavando para que eles crescessem sadios e felizes. Hoje está velha, cansada de guerra, vivendo do saudosismo, queixando-se das dores que acompanham a velhice. Pelo menos hoje temos as filmadoras, as fotos digitais, o MSN para matar a saudade. Ah! Agora somos chamadas de sogra. Nossa que coisa mais horrorosa! Tem piada para todos os gostos: “sogra não pode morar nem tão perto, nem tão longe...”
Precisamos olhar para os idosos ao nosso redor para nos certificarmos que, se tivermos chance de envelhecer, talvez tenhamos as mesmas dores, a mesma sensação de abandono, etc. Qual é a sua idade? Olhe para o lado, veja a idade do seu vizinho, e me fale sobre a sua postura?
Quanto a mim, estou deixando o borralho, fiz uma dieta, fui para academia, despedi a empregada, para poder paga-la, depois resolvi estudar, ai despedi a faxineira, sai da Academia e, engordei de novo! Agora, sou estudante, cuja finalidade é passar em algum concurso. Os analistas econômicos afirmam que no futuro não haverá mais emprego. Eu espero que o emprego não acabe tão cedo, pois eu preciso de um. Atualmente, vivo de fazer bico. Imaginem! Aos 50 anos, tenho um mestrado, uma pós-graduação, três graduações e não arrumo emprego. Em compensação já escrevi dois livros, e um terceiro a caminho. Até 2001 Eu era doméstica. Hoje abomino a faxina, abandonei o ferro, e tenho feito discursos homéricos para que os de casa me ajudem.
Aprendi a usar a máquina do tempo. Chamo de máquina do tempo, pois a internet encurtou as distancias, reduziu o tempo de comunicação, aproximou as pessoas quando estão em longas distancias. Ah! Ia esquecendo, para aprender a usá-la comecei como todo mundo começa, catando milho, e quando pedia ajuda, meus filhos diziam: “mãe Ti vira”. Ta bom ou quer mais? Eu espero ficar bem velhinha com weblog, orkut, e-mail, sites para escritoras amadoras e o que mais aparecer.
Esperavam um discurso meloso, cheio de lagrimas da velha? Isso nem me passou pela cabeça! Não sou de comemorar dias como das mães, da mulher, do negro, do índio, do idoso, da sogra, pois quem tem dia no calendário faz parte da lista dos excluídos, e eu persigo a inclusão direta e efetiva.
Agora, desejo para todas as mães, as que estão a caminho, e as que sonham com a maternidade. Espero que o próximo dia 13 de Maio seja o dia da libertação, não só dos negros, mas de todos os oprimidos, incluindo as mães. Almocem juntos, troquem presentes. Afinal, a vida é breve e precisamos de momentos como esses para estreitar relações, estabelecer comunhão, e aproveitar o momento para expressar nosso afeto, e apreço por todos os que estão ao nosso redor!

BOM DIA DAS MÃES EM FAMÍLIA!
Cristina Nóbrega

04 maio 2007

FINALMENTE O GOL 1000


CPI DO APAGÃO

Agora vai... Prometeram investigar a fundo, doa a quem doer.

Encontro com os amigos do blog lá, eu quero a minha de calabreza, Coca Cola com gelo e limão.

03 maio 2007

O papa e os mendigos da Sé

E O CRISTIANISMO ONDE FICA????????????????

O papa e os mendigos da Sé
Roberto Malvezzi*
O delegado responsável pela segurança de Bento XVI decidiu varrer os mendigos da Sé para segurança do papa. Esse fato me chamou a atenção porque foi ali, com os mendigos da Sé, que eu e outros colegas fizemos nosso batismo na “opção pelos pobres”. Um deles é o Ruben Siqueira, da CPT do São Francisco.
Na década de 1970, através da OAF (Organização do Auxílio Fraterno), nós andávamos pelas madrugadas de São Paulo encontrando com o povo da rua. Naquela época, era apenas uma conversa e uma sopa. Mas foi a partir da sopa que as irmãs que faziam o trabalho acharam que, apesar da condição de indigência, aquelas pessoas mantinham sua dignidade e capacidade de reação. Foi proposto, então, um encontro com elas. E o encontro aconteceu numa velha casa ali pelas imediações da Sé. Compareceram umas cinqüenta pessoas que viviam nas ruas. No dia do encontro, estava entre o povo da rua o missionário americano Lourenço, que vivia nas ruas de Recife e havia sido preso pelo regime militar. Foi solto quando da visita de Jimmy Carter. D. Hélder havia dito a respeito dele: “Para entender esse trabalho é preciso ter olhos que vejam e coração que sinta”.
Depois compareceu ao encontro D. Evaristo Arns. Ficou ali umas duas horas, conversou com o pessoal e disse uma frase que até hoje não me esqueço: “Rezo por vocês todas as noites, principalmente quando está muito frio, para que o sofrimento de vocês não seja tão terrível”.
Depois, durante a missa, alguém perguntou a eles se iam à missa. Um deles respondeu: “Eu vou, mas quando entro o pessoal me expulsa da Igreja”. O outro completou: “Quando está muito frio, eu vou ali no pátio do mosteiro passar a noite, mas os monges jogam água fria na gente para expulsar a gente de lá”.
Bom, depois viemos morar no sertão; afinal, quem morava debaixo das pontes era o “Ceará, o “Paraíba”, o “Pernambuco”, o “Baiano” etc. Portanto, o problema começava longe das pontes e viadutos de São Paulo. O trabalho com o povo da rua evoluiu muito e hoje temos a pastoral do povo da rua organizado no Brasil inteiro.
Talvez seja mais seguro e mais cômodo fazer a segurança do papa afastando os mendigos de seu convívio. Eles importunam. Talvez seja mais fácil que apenas os banhados, perfumados e bem-vestidos se aproximem de Bento XVI. Porém, embora o papa pareça uma pessoa simples e generosa, seria bom que ele tivesse contato com os mendigos. Eles poderiam, por exemplo, estar na primeira fila da missa que será celebrada na catedral. O papa iria ver que eles fazem parte da paisagem da cidade e de todo continente latino-americano. Ainda mais que eles são um desafio evangélico e pastoral para a Igreja. O pessoal põe o papa numa redoma de vidro, longe da realidade dura da vida. Ele, que é um intelectual fino e europeu, com pouca vivência pastoral, teria a mesma chance de D. Helder, D. Arns, Lourenço etc. de ver como é dura a vida dos pobres latino-americanos.
Enfim, pode ser mais fácil para a segurança e menos incômodo para os bem-vestidos que os mendigos estejam longe do evento. Mas seria infinitamente mais cristão que eles estivessem presentes.
* Roberto Malvezzi, o Gogó, é coordenador da Comissão Pastoral da Terra (CPT).
Fonte: http://www.correiocidadania.com.br/artigos/politica/o-papa-e-os-mendigos-da-se.html

02 maio 2007

NOTÍCIAS DE SAMPA

De São Paulo (maior cidade da América Latina), nos chega a notícia (maiores jornais, revistas, TVs e demais órgãos de informação da América Latina), que sua Santidade o Papa ficará no Hotel X (maior da América Latina) e de lá parte pelo maior aeroporto da América latina para a Basílica de N. S. Aparecida (maior basílica do mundo). Lá ele vai abençoar o maior número de fiéis do mundo.
Estão pensando que é sacanagem? Prestem a atenção nas notícias.

Aliás o Papa disse hoje, em português (demais!), que o Brasil é uma 'grande nação' (um espetáculo).