31 março 2010

TRAVESSIA


Foto ney (clique para ampliá-la).
Toca a campainha na estação, param-se as roletas, cessam os embarques, todos a bordo soltam-se as amarras da ponte de atracação. Três apitos breves indicam que a embarcação já está em ré, se afastando para um local mais fundo, manobrando, girando em direção ao outro lado da Baía da Guanabara.
E assim foi por uma vida inteira essa travessia diária entre Rio/Niterói, para lá e para cá, porque nunca tive o gostinho de trabalhar em Niterói.
Dias de sol, chuva, calor, tempestades, raios, nevoeiros. No meio da baía quase sempre soprando uma agradável brisa, vinda de alto mar, entrando pela barra.
Por 5 anos trabalhei em São Paulo, mas nos finais de semana, quando ia e voltava (Rio/São Paulo), lá estava eu atravessando de carro nas antigas barcaças de veículos. Até que um dia fizeram a ponte e criaram mais essa alternativa.
Os cafezinhos na estação, as prosas amigas nas travessias, lendo um livro, um jornal, ou simplesmente apreciando a paisagem. E se nada me aconteceu de ruim, é para lembrar com saudade desses cotidianos. Hoje as lanchas são rápidas, mas os serviços privatizados não têm a regularidade de antigamente. (ney).

BALÉ DOS CISNES (clique aqui)








fotos ney (clique para ampliá-las) - Lago do Campo São Bento - Niterói (30.03.10).
Vale a pena ver o vídeo no link acima (clique no título). The Swan - Carnival of the animals - Camille Saint Saens - Uliana Lopatkina.

29 março 2010

28 março 2010

CLICK... CLICK... CLICK...







fotos ney.
Ah, que mania, de bater fotografia, buscar magia e poesia, luz, cor, amor, beleza, natureza, Criação. Liga não!

BLUE MOON (clique aqui)


foto ney - clique para ampliá-la.
Vídeo no link acima (Título).

FIM DE TARDE - SÁBADO - 27.03.2010







Fotos ney - clique para ampliá-las.
Fim de tarde - Sábado, 27.03.2010.
Parque da Cidade - Charitas - Niterói-RJ.

27 março 2010

Menina 23.225 e outros direitos

Por Luciano Martins Costa e Luiz Egypto em 24/3/2010

"Trata-se de uma questão de direitos humanos, mas não do tipo que a imprensa adora noticiar e comentar: uma menina de onze anos é internada no Hospital Psiquiátrico Pinel..."

Clique no título para ler o texto completo.

23 março 2010

Computador

Ainda estou sem o meu computador.Estou escrevendo através do computador da escola onde trabalho.
Estou sentindo muita falta do computador em casa, mas em breve isso será resolvido.
Deixo um abraço carinhoso a todos que nos visitam e um agradecimento especial ao Ney, que continua mantendo o blog, com suas fotos e comentários.

NAMORADEIRAS


Foto ney.
Tão bonitas as namoradeiras, com seus olhares românticos, perdidos e distantes, olhando a vida passar. Decoram, encantam, ocupam, às vezes, lugares de destaque em galerias, artistas famosos vendem peças caríssimas. Muito procuradas em Minas Gerais, Goiás, Vale do Jequitinhonha e outras regiões.
Alguns falam em possíveis preconceitos, como dizem que vendemos a imagem de país do samba e do futebol, mas a arte está sempre acima desses entendimentos, e se expressa livremente. (ney)

21 março 2010

LAGO MUDO





Fotos ney - Lagoa de Piratininga - Niterói-RJ (Brasil).
Lago Mudo (Fernando Pessoa)

Contemplo o lago mudo, que uma brisa estremece. Não sei se penso em tudo, ou se tudo me esquece. O lago nada me diz, não sinto a brisa mexê-lo, não sei se sou feliz, nem se desejo sê-lo. Trêmulos vincos risonhos, na água adormecida. Por que fiz eu dos sonhos, a minha única vida?

20 março 2010

OUTONO



CANÇÃO DE OUTONO (foto ney)

Perdoa-me, folha seca, não posso cuidar de ti. Vim para amar neste mundo, e até do amor me perdi. De que serviu tecer flores pelas areias do chão, se havia gente dormindo sobre o próprio coração? E não pude levantá-la! Choro pelo que não fiz. E pela minha fraqueza é que sou triste e infeliz. Perdoa-me, folha seca! Meus olhos sem força estão velando e rogando áqueles que não se levantarão... Tu és a folha de outono voante pelo jardim. Deixo-te a minha saudade - a melhor parte de mim. Certa de que tudo é vão. Que tudo é menos que o vento, menos que as folhas do chão... Cecília Meireles

19 março 2010

Bom dia!


Todas as manhãs, durante a viagem, essa linda flor me desejava bom dia quando eu acordava.

Ausência.

Peço desculpas aos amigos, mas não estou fazendo postagens por estar sem computador.Eventualmente uso o computador na escola.

Vou deixar um pensamento de Rubem Alves para marcar minha breve presença por aqui.

"Quem experimenta a beleza está em comunhão com o sagrado".

CASAS SIMPLES



foto ney. Foi uma aventura e tanto esse longo caminhar, que explica um pouco esse blog miscelânea de assuntos, já que foram momentos diversos.
Tudo começou na Rua Paissandu das belas residências e palmeiras, onde passava o Presidente com seus batedores para o Palácio do Governo bem próximo. O Rio era Capital do Brasil, morávamos numa vila de casas bem antigas. Depois fomos para Nilópolis, na época subúrbio do Rio, o ir e vir nos trens da Rede Ferroviária Central do Brasil. “Casas simples com cadeiras na calçada, na fachada escrito em cima que era um lar...” (Gente Humilde – Chico Buarque).
Já em Niterói passamos dos trens para as barcas atravessando a Baía da Guanabara. Bons tempos das ruas, jogo de bola, pipas, anos dourados, bailes de formatura. Depois 1 ano de Exército, a faculdade de Economia, 5 anos em SAMPA, os filhos, netos, a aposentadoria. Desejo que ainda tenha chão. E vamos nós seguindo, amando, aprendendo, trocando, crescendo.

Existe muita magia e poesia nesses cotidianos, o som dos trens nos trilhos, das barcas apitando, as bandas tocando nos coretos das pracinhas, os namoros, encontros e desencontros, tudo isso vai ficando e refletindo nas águas do tempo, e nos dizendo em muitos momentos, compondo a música da vida. (ney)

17 março 2010

MINHA HISTÓRIA (clique aqui)




MINHA HISTÓRIA - Chico Buarque
(fotos ney)

Ele vinha sem muita conversa, sem muito explicar
Eu só sei que falava e cheirava e gostava de mar
Sei que tinha tatuagem no braço e dourado no dente
E minha mãe se entregou a esse homem perdidamente

Ele assim como veio partiu não se sabe pra onde
E deixou minha mãe com o olhar cada dia mais longe
Esperando, parada, pregada na pedra do porto
Com seu único velho vestido cada dia mais curto

Quando enfim eu nasci minha mãe embrulhou-me num manto
Me vestiu como se fosse assim uma espécie de santo
Mas por não se lembrar de acalantos, a pobre mulher
Me ninava cantando cantigas de cabaré

Minha mãe não tardou a lertar toda a vizinhança
A mostrar que ali estava bem mais que uma simples criança
E não sei bem se por ironia ou se por amor
Resolveu me chamar com o nome do Nosso Senhor

Minha história é esse nome que ainda hoje carrego comigo
Quando vou bar em bar, viro a mesa, berro, bebo e brigo
Os ladrões e as amantes, meus colegas de copo e de cruz
Me conhecem só pelo meu nome Menino Jesus

16 março 2010

ESPIRITUALIDADE




foto ney - Igreja São Francisco Xavier - Niterói-RJ.

A vida é um constante aprender, perceber, constatar, que se torna um conhecimento quando formamos uma idéia clara e definida na consciência. São muitas correrias, circunstâncias, nem sempre podemos refletir, encontrar a melhor harmonia espiritual e física. Além disso, sofremos influências de pessoas próximas e do pensamento universal ao longo do tempo.
Dos preceitos religiosos foi dito que eu deveria acreditar em todos, como dogmas, mesmo que a missa fosse em Latim. Adorar a Deus, meus pais só poderia amar. Mas tudo bem, em se tratando de amor eu não ia complicar. Estudei em colégio católico, mas convivi bem com todos a minha volta. De um modo ou de outro, cheguei numa espiritualidade de paz e amor, sem verdades absolutas. A foto foi só um dos jeitos de dizer desses sentimentos, o que mais conheci, mas devem todos nos libertar e fazer amar. (ney).

15 março 2010

CHUVA E APAGÃO


Mas este março é mesmo atrapalhado fechando o verão, com tanta água, pau, pedra, resto de toco, caco de vidro, como diz a bela canção do Tom Jobim (Águas de março). Um calor sufocante, melado, o ar parado, trazendo no final do dia as tempestades.
E foram muitos bairros sem luz, lembrando os tempos de antigamente, eu bem que sempre achei esquisita essa palavra PRIVATIZAÇÃO, onde se paga muito por pouco, e nem podemos reclamar, porque não atendem os consumidores. Lucro abusivo não combina com utilidade pública (foram umas 8 horas sem energia, fora o indo e voltando, os piques que detonam os aparelhos domésticos. E nem precisa tanta chuva e vento.

12 março 2010

CHEGANDO JUNTO NUMA BOA CONVERSA


foto ney - Niemeyer e JK conversando num banco no "caminho niemeyer" - Pça. JK - Niterói.

Um procura um parteiro para os seus pensamentos, outro alguém a quem possa ajudar: é assim que nasce uma boa conversa.
Friedrich Nietzsche

GRANDE PAI


Jurujuba é um recanto tranquilo de Niterói, pequena comunidade que vive da pesca. Lindas enseadas, fortes antigos, montanhas, pontos históricos e turísticos, famosa pela festa de São Pedro.
Bom poder parar, sentar, apreciar a paisagem, sentir a brisa, o cheiro de mar, desacelerar a vida.
Nos reflexos das suas águas calmas muitos brilhos e cores, Criações do Grande Pai. Um convite à fotografia. Click! (ney)
Boa sorte e muita luz para o barco GRANDE PAI e os demais.

ROUPAS NO VARAL II

Quero acrescentar algo sobre a postagem anterior. Tudo sempre tem um significado maior. Éramos muito pobres quando eu nasci, morávamos no coração do Rio de Janeiro, na época ainda Capital do Brasil - Rua Paissandu (Flamengo), um carioca da gema. Era num quarto de uma casa de cômodos, numa vila de casas antigas, ao fundo um cortiço. Eu e o irmão mais velho ficávamos de brincadeira com as moças lavando roupa num tanque comum, correndo entre os lençóis pendurados no varal, imitando as batidas da roupa no tanque, volta e meia levando corridas delas.
Depois fomos morar distantes do centro do Rio (Nilópolis), ramal dos trens da rede ferroviária Central do Brasil. A casa bem simples tinha um bom terreno, e para ajudar meu pai nas despesas, minha mãe plantava de tudo no quintal, que vendia também na vizinhança. Lavava roupa para fora, carregávamos as trouxas na cabeça para levar do outro lado da estação, na parte mais nobre da cidade. Depois comprou uma máquina e ficou só na costura, atendendo as encomendas dos alfaiates.
Tenho fotos brincando de correr entre as roupas penderadas no varal, então ficaram na memória essas imagens e bons momentos de criança, cercado de muito amor. (ney).

OS POEMAS

Os poemas são pássaros que chegam
não se sabe de onde e pousam
no livro que lês.
Quando fechas o livro, eles alçam vôo
como de um alçapão.
Eles não têm pouso
nem porto;
alimentam-se um instante em cada
par de mãos e partem.
E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
no maravilhado espanto de saberes
que o alimento deles já estava em ti...
Mario Quintana - Esconderijos do Tempo

11 março 2010

GO

Ainda estou viajando pelo centro-oeste...
Volto brevemente com muitas fotos.
Um abração.

10 março 2010

ROUPAS NO VARAL

















Fotos ney.
Somos um Brasil de muitas aquarelas, exaltando nossas qualidades e grandiosidades, como a do "Brasil Brasileiro" de Ary Barroso. Criticas existem sobre esse ufanismo, esse modo encantado de falar de nossas belezas e riquezas, já que atendem aos oportunismos políticos, econômicos e sociais, explorando o entusiasmo e a boa fé do nosso povo.
Mas acho que é mesmo nosso jeito de ser, de dizer com música e poesia, todo nosso encanto por essa imensa diversidade. "E assim fizemos dela um palco iluminado... nossas roupas comuns dependuradas, qual bandeiras agitadas, parecendo um estranho festival. Festa dos nossos trapos coloridos, a mostrar que nos morros mal vestidos, é sempre feriado nacional. A porta do barraco era sem trinco, mas a lua furando nosso zinco, salpicava de estrelas nosso chão. Tu pisavas nos astros distraída, sem saber que a ventura desta vida, é a cabrocha, o luar e o violão (chão de estrelas - Silvio Caldas e Orestes Barbosa).
Nota: Era assim em nossa casa com quintal, os varais de arame sustentados por longos bambus, a roupa pendurada secando no sol e no vento. Na hora da chuva era uma correria para se recolher toda a roupa. E ficou essa imagem de infância. (ney).

A NATUREZA























Fotos e texto ney.
Dentro daquele lago de águas calmas, vi o reflexo de frondosas árvores e exuberantes folhagens; os pingos da chuva formando círculos concêntricos, delicadas e vibrantes ondulações em movimentos harmoniosos. Nele flutuavam fôlhas secas, pequenos insetos executavam seu balé sobre as águas, galhos despontavam de suas profundezas. Lá bem alto a imensidão do céu azul, as nuvens brancas. Ouvi o canto dos pássaros, a música da natureza, senti a brisa fresca, o aroma das flores. E lá estava também a minha sombra, a luz do flash cintilou nas águas do tempo, gravei na memória e na imagem digital os lindos momentos da natureza. Viva a grandeza da Criação! Ney.

09 março 2010

A VIDA...



A vida não pode ser economizada para amanhã. Acontece sempre no presente


08 março 2010

A ESSÊNCIA HUMANA (clique aqui)


Realidade, verdade, sonho, magia, mistério, criação, vida e amor. Sentir, observar, ler, constatar, conscientizar. Ser um eterno aprendiz, deixar fluir os sentimentos, conhecimentos, a ciência, a razão, o crescimento, a luz, o movimento, a energia, a simplicidade de ser, de sonhar, fantasiar, de se deixar encantar.
Gostei muito do texto (link acima/Título), do Professor Jucimar Gomes de Souza.

DIA INTERNACIONAL DA MULHER (clique aqui)


Feliz DIA INTERNACIONAL DA MULHER.

06 março 2010

VÔOS DA VIDA








Fotos ney. Clique para ampliá-las. Enquanto uma abelha vibra suas asas 4 vezes por segundo e muitos mosquitos imprimem até 8 batidas, a libélula bate suas asas 50 vezes por segundo, podendo mesmo planar. Sorte minha ter fotografado esses lindos momentos. Ah, e muita paciência, mas valeu a pena.

É linda a vida que voa livre
E sempre sem ter fim.
Descortinando caminhos
Que em meio à poesia
Um dia trouxeram você pra mim.

É lindo o sonho que eu vivi
Junto a você que dorme agora
Enquanto eu, olhando a aurora,
Estou pensando em ti.

Trecho da Música Vôos da vida - Toquinho/Mutinho.

03 março 2010

PAIXÃO POR CINEMA



Obrigado sétima arte por nos encantar a vida. Foi amor a primeira vista, que começou desde muito criança, e cujo THE END final espero que demore ainda muitos anos.
Para mim começou na rua, era o Cine Propaganda Fluminense – seu proprietário colocava uma tela sobre a capota do JEEP, e toda a vizinhança trazia suas cadeiras de casa, as crianças sentavam no chão. Patrocínio do Cicle São Bento, lembro ainda da música da propaganda: Pedalando, pedalando, a favor ou contra o vento, numa linda bicicleta do Cicle São Bento.
Tarzan era o grande herói da noite, lutando contra os malvados caçadores e enfrentando os crocodilos, salvando a bela JANE com a ajuda da Chita e demais animais. Seu grito ecoava por toda a floresta... ooooooooooooh. O coitado nem imaginava que os homens e suas serras iriam destruir quase todas as florestas.
Era no DIA DA CRIANÇA que o Cinema Mandaro abria suas portas gratuitamente para os alunos do colégio onde eu estudava. Ao som de Moonlight Serenade (Glenn Miller), as cortinas abriam-se lentamente. Nesse dia festivo não havia lanterninha que conseguisse colocar ordem no recinto. O Gerente acendia a luz e era um silêncio total, quando apagava voltava a bagunça. Doces lembranças, pena que todo ano era o mesmo filme – O Conde de Monte Cristo. Nas manhãs de domingo o festival Tom & Jerry, Flash Gordon no Planeta Marte.
Chaplin, Gordo e Magro, logo vieram os grandes estúdios de Hollywood, o telão do Cinemascope, as belas estrelas do cinema. Os musicais, os bang bang do faroeste, Walt Disney e suas princesas, o cinema italiano, francês, as chanchadas brasileiras.
O filme CINEMA PARADISO nos diz bem de todos esses encantos. Até a próxima sessão. (ney).

02 março 2010

Todas as opiniões que há sobre a Natureza

Todas as opiniões que há sobre a Natureza
Nunca fizeram crescer uma erva ou nascer uma flor.
Toda a sabedoria a respeito das coisas
Nunca foi coisa em que pudesse pegar, como nas coisas.
Se a ciência quer ser verdadeira,
Que ciência mais verdadeira que a das coisas sem ciência?
Fecho os olhos e a terra dura sobre que me deito
Tem uma realidade tão real que até as minhas costas a sentem.
Não preciso de raciocínio onde tenho espáduas.

Alberto Caeiro(heterônimo de Fernando Pessoa)

01 março 2010

ÁGUAS DE MARÇO... (clique aqui)




foto ney - clique para ampliá-la.

É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um caco de vidro, é a vida, é o sol
É a noite, é a morte, é o laço, é o anzol. .

Vento ventando, chuva chovendo, pingo pingando... pau, pedra, fim, caminho, resto, toco, pouco, sozinho
caco, vidro, vida, sol, noite, morte, laço, anzol...