31 julho 2009

Quando a vida nos surpreende...

(clique na imagem para amplia-la)

"E no meio de um inverno eu finalmente aprendi que havia dentro de mim um verão invencível."

(Albert Camus)

29 julho 2009

Cecília Meireles torna doce minha manhã...

Cecilia Meireles traz doçura em forma de poesia. Doçura que, espero, envolva sua manhã...

Serenata

Permita que eu feche os meus olhos,
pois é muito longe e tão tarde!
Pensei que era apenas demora,
e cantando pus-me a esperar-te.

Permite que agora emudeça:
que me conforme em ser sozinha.
Há uma doce luz no silencio,
e a dor é de origem divina.

Permite que eu volte o meu rosto
para um céu maior que este mundo,
e aprenda a ser dócil no sonho
como as estrelas no seu rumo

28 julho 2009

Sobre a lua, com lirismo...




(Florbela Espanca)

Eu tenho pena da Lua!
Tanta pena, coitadinha,

Quando tão branca, na rua
A vejo chorar sozinha!...


As rosas nas alamedas,
E os lilases cor da neve
Confidenciam de leve

E lembram arfar de sedas

Só a triste, coitadinha...

Tão triste na minha rua
Lá anda a chorar sozinha ...


Eu chego então à janela:

E fico a olhar para a lua...
E fico a chorar com ela! ...


27 julho 2009

VAMOS PEGAR SOL (clique aqui)

Precisamos pegar SOL, e ficar bronzeados (clique no TÍTULO acima).

AQUARELA

Aquarela
Toquinho
Composição: Toquinho / Vinicius de Moraes / G.Morra / M.Fabrizio

Numa folha qualquer
Eu desenho um sol amarelo
E com cinco ou seis retas
É fácil fazer um castelo...
Corro o lápis em torno
Da mão e me dou uma luva
E se faço chover
Com dois riscos
Tenho um guarda-chuva...
Se um pinguinho de tinta
Cai num pedacinho
Azul do papel
Num instante imagino
Uma linda gaivota
A voar no céu...
Vai voando
Contornando a imensa
Curva Norte e Sul
Vou com ela
Viajando Havaí
Pequim ou Istambul
Pinto um barco a vela
Branco navegando
É tanto céu e mar
Num beijo azul...
Entre as nuvens
Vem surgindo um lindo
Avião rosa e grená
Tudo em volta colorindo
Com suas luzes a piscar...
Basta imaginar e ele está
Partindo, sereno e lindo
Se a gente quiser
Ele vai pousar...
Numa folha qualquer
Eu desenho um navio
De partida
Com alguns bons amigos
Bebendo de bem com a vida...
De uma América a outra
Eu consigo passar num segundo
Giro um simples compasso
E num círculo eu faço o mundo...
Um menino caminha
E caminhando chega no muro
E ali logo em frente
A esperar pela gente
O futuro está...
E o futuro é uma astronave
Que tentamos pilotar
Não tem tempo, nem piedade
Nem tem hora de chegar
Sem pedir licença
Muda a nossa vida
E depois convida
A rir ou chorar...
Nessa estrada não nos cabe
Conhecer ou ver o que virá
O fim dela ninguém sabe
Bem ao certo onde vai dar
Vamos todos
Numa linda passarela
De uma aquarela
Que um dia enfim
Descolorirá...
Numa folha qualquer
Eu desenho um sol amarelo
(Que descolorirá!)
E com cinco ou seis retas
É fácil fazer um castelo
(Que descolorirá!)
Giro um simples compasso
Num círculo eu faço
O mundo(Que descolorirá!)...

O amor é grande.

O amor é grande e cabe nesta janela sobre o mar.
O mar é grande e cabe na cama e no colchão de amar.
O amor é grande e cabe no breve espaço de beijar.

Carlos Drummond de Andrade

26 julho 2009

Rubem Alves...A beleza da música.

"Se fosse ensinar a uma criança a beleza da música não começaria com partituras, notas e pautas.Ouviríamos juntos as melodias mais gostosas e lhe contaria sobre os instrumentos que fazem a música.Aí, encantada com a beleza da música, ela mesma me pediria que lhe ensinasse o mistério daquelas bolinhas pretas escritas sobre cinco linhas.Porque as bolinhas pretas e as cinco linhas são apenas ferramentas para a produção da beleza musical. A experiência da beleza tem de vir antes".

Rubem Alves

24 julho 2009

Manoel Bandeira para sua manhã


Andorinha

Andorinha lá fora está dizendo:
— "Passei o dia à toa, à toa!"

Andorinha, andorinha, minha cantiga é mais triste!
Passei a vida à toa, à toa . . .

23 julho 2009

Elisa Lucinda e Rubem Alves - A Poesia do Encontro(clique aqui)

Abaixo, estão os poemas citados no vídeo.


Quando te vi amei-te já muito antes.
Fernando Pessoa

Quando te vi amei-te já muito antes.
Tornei a achar-te quando te encontrei.
Nasci pra ti antes de haver o mundo.
Não há cousa feliz ou hora alegre
Que eu tenha tido pela vida fora,
Que o não fôsse porque te previa,
Porque dormias nela tu futuro.

............................................................
E eu soube-o só depois, quando te vi,
E tive para mim melhor sentido,
E o meu passado foi como uma 'strada
Iluminada pela frente, quando
O carro com lanternas vira a curva
Do caminho e já a noite é tôda humana.

...............................................................
Quando eu era pequena, sinto que eu
Amava-te já longe, mas de longe

... ...............................................................
Amor, diz qualquer cousa que eu te sinta!
-Compreendo-te tanto que não sinto,
Oh coração exterior ao meu!
Fatalidade, filha do destino
E das leis que há no fundo dêste mundo!
Que és tu a mim que eu compreenda ao ponto
De o sentir...? ...............................................................


Cessa o teu canto.
Fernando Pessoa

Cessa o teu canto.
Cessa, porque enquanto o ouço,
ouve a uma outra voz
como que vindo nos interstícios
do brando encanto com que o teu canto
vinha até nós.
Ouvi-te e ouvi-a
No mesmo tempo
E diferentes
Juntas a cantar.
E a melodia
Que não havia
Se agora a lembro,
Faz-me chorar.

Irene
Manuel Bandeira

Irene preta
Irene boa
Irene sempre de bom humor

Imagino Irene entrando no céu:
- Com licença, meu branco.
E São Pedro, bonachão:
- Entra, Irene. Você não precisa pedir licença.


Rei do mar
Cecília Meirelles


Muitas Velas. Muitos Remos.
Âncora é outro falar...
Tempo que navegaremos
não se pode calcular.
Vimos as Plêiades. Vemos
agora a Estrela Polar.
Muitas velas. Muitos remos.
Curta Vida. Longo Mar.

Por água brava ou serena
deixamos nosso cantar,
vendo a voz como é pequena
sobre o comprimento do ar.
Se alguém ouvir, temos pena:
só cantamos para o mar...

Nem tormenta nem tormento
nos poderia parar.
(Muitas velas. Muitos remos.
Âncora é outro falar...)
Andamos entre água e vento
procurando o Rei do Mar.
Cecília Meirelles

22 julho 2009

Belo dia com Mário Quintana...

BILHETE

Se tu me amas,
ama-me baixinho.

Não o grites de cima dos telhados,
deixa em paz os passarinhos.

Deixa em paz a mim!

Se me queres,
enfim,

.....tem de ser bem devagarinho,
.....amada,.....que a vida é breve,
.....e o amor.....mais breve ainda.

Mario Quintana

21 julho 2009

Professores ficam milionários na Coreia do Sul(clique aqui)

Na Coreia do Sul, onde a população é obcecada pela educação, professores viram celebridades e chegam a ficar milionários.

Os mestres chegam a ganhar até 4 milhões de dólares por ano.
Conheça esses astros no vídeo abaixo:


http://educacao.ig.com.br/noticia/2009/07/16/professores+ficam+milionarios+na+coreia+do+sul+7331975.html

Quintana, eterno Quintana...

SENTIR PRIMEIRO

Sentir primeiro, pensar depois
Perdoar primeiro, julgar depois

Amar primeiro, educar depois
Esquecer primeiro, aprender depois

Libertar primeiro, ensinar depois
Alimentar primeiro, cantar depois

Possuir primeiro, contemplar depois
Agir primeiro, julgar depois

Navegar primeiro, aportar depois
Viver primeiro, morrer depois

(Mário Quintana)

Dois pensamentos de Cecilia Meireles

"Aprendi com a primavera a me deixar cortar e a voltar sempre inteira."

"Quanto mais me despedaço, mais fico inteira e serena."

20 julho 2009

Fernando Pessoa neste dia do amigo.

Poema do amigo aprendiz

Quero ser o teu amigo. Nem demais e nem de menos.
Nem tão longe e nem tão perto.
Na medida mais precisa que eu puder.
Mas amar-te sem medida e ficar na tua vida,
Da maneira mais discreta que eu souber.
Sem tirar-te a liberdade, sem jamais te sufocar.
Sem forçar tua vontade.
Sem falar, quando for hora de calar.
E sem calar, quando for hora de falar.
Nem ausente, nem presente por demais.
Simplesmente, calmamente, ser-te paz.
É bonito ser amigo, mas confesso é tão difícil aprender!
E por isso eu te suplico paciência.
Vou encher este teu rosto de lembranças,
Dá-me tempo, de acertar nossas distâncias...

Fernando Pessoa

DIA DO AMIGO.

UM ABRAÇO AOS AMIGOS.

No Dia Internacional do Amigo...


Nada dá mais alegria e aconchego ao coração do que a presença de um amigo.
E neste dia dedicado a esse ser especial e imprescindível na vida de cada um de nós, poderia oferecer a cada um de meus amigos tão queridos, uma flor, mas ao invés disso, ofereço um delicioso berry, colhido no pé, aqui no quintal da casa.
Para vocês, com carinho e com meu agradecimento por fazerem parte de minha vida, por iluminarem meus caminhos

Feliz Dia Do Amigo!

Dulce

19 julho 2009

Soneto de aniversário

Passem-se dias, horas, meses, anos
Amadureçam as ilusões da vida
Prossiga ela sempre dividida
Entre compensações e desenganos.

Faça-se a carne mais envilecida
Diminuam os bens, cresçam os danos
Vença o ideal de andar caminhos planos
Melhor que levar tudo de vencida.

Queira-se antes ventura que aventura
À medida que a têmpora embranquece
E fica tenra a fibra que era dura.

E eu te direi: amiga minha, esquece...
Que grande é este amor meu de criatura
Que vê envelhecer e não envelhece.

Vinicius de Moraes

Feliz aniversário Heli!


18 julho 2009

PARABENS, HELI !...


Minha amiga, vim trazer-lhe meu abraço e umas hortências que crescem aqui no jardim da casa de minha filha, para enfeitar ainda mais o seu dia. Tenha um feliz aniversário e que seus caminhos sejam longos, floridos e iluminados. PARABENS !... Beijos.

Dulce

PARABÉNS !

PARABÉNS! FELICIDADES!
Muita paz, saúde e alegrias.

ney.

As sem-razões do amor

Um poema de Drummond para alegrar nosso sábado.

As sem-razões do amor

Eu te amo porque te amo,
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.

Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.

Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

ANIVERSÁRIO CHEGANDO

Dia 19, ela mora em Curitiba... Quem será?

17 julho 2009

Nietzche

“Quem tem um porquê viver, encontrará, quase sempre o como.”

15 julho 2009

BELO TEXTO DE MUITA POESIA (clique aqui)


Aqui no Rio dia nublado, chuva fina, mas sempre há poesia (clique no TÍTULO acima).
Poesia... "e nos olhos do ancião que retrata os slides do tempo... "

Começar o dia com poesia?

Nada melhor que a poesia para encantar o começo de um dia, ainda mais se for a poesia de Mario Quintana... Com ele o dia começa doce, suave, calmo e, como dizem nossos amigos d'alem mar, ternurento...

PRESENÇA

É preciso que a saudade desenhe tuas linhas perfeitas,
teu perfil exato e que, apenas levemente, o vento
das horas ponha um frêmito em teus cabelos...
É preciso que a tua ausência trescale
sutilmente, no ar, a trevo machucado,
as folhas de alecrim desde há muito guardadas
não se sabe por quem nalgum móvel antigo...
Mas é preciso, também, que seja como abrir uma janela
e respirar-te, azul e luminosa, no ar.
É preciso a saudade para eu te sentir
como sinto – em mim – a presença misteriosa da vida...
Mas quando surges és tão outra e múltipla e imprevista
que nunca te pareces com teu retrato...
E eu tenho de fechar meus olhos para ver-te!

14 julho 2009

...infinito enquanto dure...

SONETO DE FIDELIDADE
Vinícius de Moraes
De tudo, ao meu amor serei atento.
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.
E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa dizer do amor ( que tive )
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

Há um tempo ...Fernando Pessoa

Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.
Fernando Pessoa

13 julho 2009

O que me dói...Fernando Pessoa...

O que me dói...


O que me dói não é
O que há no coração
Mas essas coisas lindas
Que nunca existirão...

São as formas sem forma
Que passam sem que a dor
As possa conhecer
Ou as sonhar o amor.

São como se a tristeza
Fosse árvore e, uma a uma,
Caissem suas folhas
Entre o vestigio e a bruma.

Fernando Pessoa

12 julho 2009

Da influência dos espelhos

(Mário Quintana)

Tu lembras daqueles grandes espelhos côncavos ou convexos que em certos estabelecimentos os proprietários colocavam à entrada para atrair os fregueses, achatando-os, alongando-os, deformando-os nas mais estranhas configurações?
Nós, as crianças de então, achávamos uma bruta graça, por saber que era tudo ilusão, embora talvez nem conhecêssemos o sentido da palavra "ilusão".
Não, nós bem sabíamos que não éramos aquilo!
Depois, ao crescer, descobrimos que, para os outros, não éramos precisamente isto que somos, mas aquilo que os outros vêem.
Cuidado, incauto leitor! Há casos, na vida, em que alguns acabam adaptando-se a essas imagens enganosas, despersonalizando-se num segundo "eu".
Que pode uma alma, ainda por cima invisível, contra o testemunho de milhares de espelhos?
Eis aqui um grave assunto para um conto, uma novela, um romance, ou uma tese de mestrado em Psicologia.

10 julho 2009

CHEGANDO JUNTO COM A BOA MÚSICA E LINDAS INTERPRETAÇÕES

CLIQUE NO TÍTULO acima para ver e ouvir mais uma bela e jovem interpretação, Kaori Muraji, do Concierto de Aranjuez. Nas janelas do youtube outras célebres apresentações (Paco de Lucia, John Williams, Miles Davis/Gil Evans, Andrea Bocelli, Sarah Brigtman. José Carreras e muitos outros), também eternizada na voz de Amália Rodrigues.
A música de Joaquim Rodrigo Vidre - letra de Alfredo Garcia Segura, é um clássico da bela música que encanta o mundo. SAIBA MAIS SOBRE O CONCIERTO DE ARANJUEZ em http://recantodasletras.uol.com.br/audios/cancoes/21252

Um trecho da letra:
... hoje as folhas secas, sem cor... quais são varridas pelo vento... são lembranças do romance que você e eu, juntos, começamos... e que temos esquecido sem motivo... talvez que o amor esteja escondido em um pôr-do-sol, ou na flor...

A magia da poesia de Mário Quintana.

RECORDO AINDA

Recordo ainda... e nada mais me importa...
Aqueles dias de uma luz tão mansa
Que me deixavam, sempre, de lembrança,
Algum brinquedo novo à minha porta...

Mas veio um vento de Desesperança
Soprando cinzas pela noite morta!
E eu pendurei na galharia torta
Todos os meus brinquedos de criança...

Estrada afora após segui... Mas, aí,
Embora idade e senso eu aparente
Não vos iludais o velho que aqui vai:

Eu quero os meus brinquedos novamente!
Sou um pobre menino... acreditai!...
Que envelheceu, um dia, de repente!...

Mario Quintana

Jardim (clique aqui para ver o texto completo)

Rubem Alves

Um amigo me disse que o poeta Mallarmé tinha o sonho de escrever um poema de uma palavra só. Ele buscava uma única palavra que contivesse o mundo. T.S. Eliot no seu poema O Rochedo tem um verso que diz que temos "conhecimento de palavras e ignorância da Palavra". A poesia é uma busca da Palavra essencial, a mais profunda, aquela da qual nasce o universo. Eu acho que Deus, ao criar o universo, pensava numa única palavra: Jardim! Jardim é a imagem de beleza, harmonia, amor, felicidade. Se me fosse dado dizer uma última palavra, uma única palavra, Jardim seria a palavra que eu diria."

09 julho 2009

NOTA EXPLICATIVA

Tendo em vista que uma pessoa fez um comentário no blog utilizando o meu nome, eu deletei uma das postagens feita por um dos participantes do blog.
Peço desculpas aos nossos leitores pelo ocorrido e ao Ney pelo fato de eu ter excluído uma de suas belas postagens.

Mario Quintana

Fere de leve a frase... E esquece...
NadaConvém que se repita...
Só em linguagem amorosa agrada
A mesma coisa cem mil vezes dita.

Mario Quintana

08 julho 2009

CHEGANDO JUNTO NO VIOLÃO (clique aqui)

VIVA COMO AS FLORES

Mestre, como faço para não me aborrecer? Algumas pessoas falam demais, outras são ignorantes. Algumas são indiferentes. Sinto ódio das que são mentirosas e ainda sofro com as que caluniam.

Pois viva como as flores, advertiu o mestre.

Como é viver como as flores? - Perguntou o discípulo.

Repare nestas flores, continuou o mestre, apontando lírios que cresciam no jardim. Elas nascem no esterco, entretanto, são puras e perfumadas.
Extraem do adubo malcheiroso tudo que lhes é útil e saudável, mas não permitem que o azedume da terra manche o frescor de suas pétalas.
É justo angustiar-se com as próprias culpas, mas não é sábio permitir que os vícios dos outros o importunem.
Os defeitos deles são deles e não seus. Se não são seus, não há razão para aborrecimento. Exercite, pois, a virtude de rejeitar todo o mal que vem de fora.

Isso é viver como as flores. "
Autor Desconhecido

07 julho 2009

Flores para minha amiga Heli


Heli, mulher sensível, inteligente, lutadora, responsável pelo atual sucesso do Chega-junto, bem merece o carinho de uns brincos-de-princesa que o "Em Prosa e Verso" está distribuindo aos seus amigos e leitores.
O lado masculino do blog que me perdoe, mas a festa hoje é toda para a nossa querida Heli.

NÃO DEIXE O AMOR PASSAR

Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida.Se os olhares se cruzarem e, neste momento,houver o mesmo brilho intenso entre eles, fique alerta: pode ser a pessoa que você está esperando desde o dia em que nasceu.

Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo for apaixonante, e os olhos se encherem d’água neste momento, perceba: existe algo mágico entre vocês.Se o primeiro e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a vontade de ficar juntos chegar a apertar o coração, agradeça: Deus te mandou um presente: O Amor.

Por isso, preste atenção nos sinais - não deixe que as loucuras do dia-a-dia o deixem cego para a melhor coisa da vida: O AMOR.

Carlos Drummond de Andrade

05 julho 2009

DOMINGO


Domingo é dia de ver essa raridade nas proximidades da Igreja Porciúncula. Essa foto foi capturada durante um sinal vermelho. O cone atrapalhou!

BOM DIA! BOM DOMINGO!


(foto ney)
.
Eu preparo uma canção
em que minha mãe se reconheça,
todas as mães se reconheçam,
e que fale como dois olhos.

Caminho por uma rua
que passa em muitos países.
Se não me vêem, eu vejo
e saúdo velhos amigos.

Eu distribuo um segredo
como quem ama ou sorri.
No jeito mais natural
dois carinhos se procuram.

Minha vida, nossas vidas
formam um só diamante.
Aprendi novas palavras
e tornei outras mais belas.

Eu preparo uma canção
que faça acordar os homens
e adormecer as crianças

(Carlos Drummond de Andrade)

04 julho 2009

Quando o sábado começa com poesias... MARIO QUINTANA

(Foto: Calendário do Vaticano - 2009)

Se eu fosse um padre...

Se eu fosse um padre, eu, nos meus sermões,

não falaria em Deus nem no Pecado

- muito menos no Anjo Rebelado
e os encantos das suas seduções,

não citaria santos e profetas:
nada das suas celestiais promessas

ou das suas terríveis maldições...

Se eu fosse um padre eu citaria os poetas,


Rezaria seus versos, os mais belos,
desses que desde a infância me embalaram
e quem me dera que alguns fossem meus!


Porque a poesia purifica a alma ...
a um belo poema - ainda que de Deus se apar

03 julho 2009

Os Poetas do Meu Coração... Thiago de Mello


O animal da floresta


De madeira lilás (ninguém me crê)
se fez meu coração. Espécie escassa
de cedro, pela cor e porque abriga
em seu âmago a morte que o ameaça.
Madeira dói?, pergunta quem me vê
os braços verdes, os olhos cheios de asas.
Por mim responde a luz do amanhecer
que recobre de escamas esmaltadas
as águas densas que me deram raça
e cantam nas raízes do meu ser.
No crepúsculo estou da ribanceira
entre as estrelas e o chão que me abençoa
as nervuras.
Já não faz mal que doa
meu bravo coração de água e madeira.

01 julho 2009

A POESIA

Estive lendo NAVIO NEGREIRO, de Castro Alves, mas não sei nem como falar da grandeza dessa obra. E são tantos os estudos, trabalhos e comentários que seria impossível colocá-los aqui. E uma coisa leva a outra e não se pára mais de ver tanta beleza e importância na POESIA, essa voz da alma, do sentimento, e que serviu tanto ao crescimento humano. E como soube Castro Alves dizer desse sofrimento que foi a escravidão, essa página triste e duradoura da nossa história. E nesse contexto cheguei em CASTRO ALVES DO BRASIL, de Pablo Neruda, que termina assim sua homenagem ao canto de Castro Alves em Navio Negreiro:
" Castro Alves do Brasil, hoje que o teu livro puro torna a nascer para a terra livre, deixam-me a mim, poeta da nossa América, coroar a tua cabeça com os louros do povo. Tua voz uniu-se à eterna e alta voz dos homens. Cantaste bem. Cantaste como se deve cantar." Pablo Neruda.
.
E só me cabe dizer: VIVA A POESIA E A LIBERDADE!
ney.

Lembranças... Doces lembranças...



O dia está lindo, o céu de um azul suave, que encanta, que lembra paz...
Da sacada da casa de meu filho, em Campinas, aonde passo uns dias, perco meus olhos entre esse céu lindo e o verde das árvores e dos jardins do condomínio, buscando exatamente a paz do azul do céu para minha alma... E ela, feliz, agradece e se aquieta.
E como o pensamento viaja no tempo e no espaço, por um motivo qualquer, surge em minha memória a Campinas de antigamente, bucólica, tranquila, tão diferente desta cidade agitada em que está se transformando. E nesse caminhar pelo tempo volto aos meus tempos de menina quando, nas férias escolares costumávamos vir passar uns dias na fazendola de meus avós maternos. Era uma aventura, uma festa, que começava com a viagem de trem que nos trazia de São Paulo até aqui. Viagens que eu adorava, que não trocava por nada no mundo.
O trem saia da Estação da Luz, o que para mim já era uma festa, todo aquele movimento, a expectativa da viagem, os trens chegando e partindo... Se o trem fosse expresso, ou seja, a "litorina", só pararia na cidade de Jundiai, mais ou menos no meio do caminho, antes de chegar ao seu destino, Campinas. Se não, ia parando em várias cidades, onde a plataforma de cada estação era para mim uma alegria, com seus vendedores de doces e salgados, geralmente feitos pelas mulheres de cada região, verdadeiras delícias que meu pai sempre comprava para aplacar a euforia das meninas (minha irmã mais velha e su) que, empolgadas, não tinham sossego e, enquanto se deliciavam com os quitutes ficavam quietas... Eram cocadas, balas, pés -de-moleque, paçocas, amendoim, pastéis, tanta coisa boa que dificil mesmo era escolher.
E a viagem transcorria em alegria e na expectativa da chegada porque lá nos esperava sempre meu avô, que nos conduziria até a fazendola. E essa era a melhor parte da viagem, pelo menos para mim, porque meu avô vinha nos esperar e nos levaria para sua casa num "cabriolet" lindinho, puxado por um cavalo que tinha todo o meu amor (sempre fui apaixonada por cavalos, acho-os lindos, magestosos), o Pachola!...
E enquanto meus pais e meu avô iam conversando, contando coisas, minha irmã prendia-se a beleza da paisagem, eu só tinha olhos para o Pachola, dócil, altivo, crina ao vento, vencendo distâncias, levando-nos aos dias de liberdade e despreocupação tão próprias da infância, que nos esperavam na casa de meus avós.
E lembrando de tudo isso, uma imensa saudade dos meus amores que já não estão comigo, apossou-se de meu coração. As figuras de meu pai e de meu avô, senhores de si e, aparentemente, de seus destinos, de minha mãe e de minha avó, mulheres que cumpriam a risca os papéis que lhes eram impostos pela sociedade e pelos costumes da época, de minha irmã, tão linda, com um sorriso que vinha da alma e se espalhava por seus olhos, e que tão cedo partiu...
Tão doces lembranças... Tão doces saudades...

Dulce Costa
Na ensolarada manhã do primeiro dia de julho do ano de dois mil e nove

INVERNO EM ITACOATIARA - NITERÓI (clique aqui e veja o vídeo)









Clique sobre as imagens para ampliá-las (fotos ney - HOJE)
>
E no inverno aqui de Niterói (Praia de Itacoatiara)... o céu azul, o sol a esquentar o frio, surfistas no mar, sereias na areia, árvores floridas como na primavera, borboletas. Tomara que continue assim. Na segunda e quarta fotos a Pedra do Elefante.
CLIQUE NO TÍTULO ACIMA E VEJA O VÍDEO.