13 junho 2009

SANTO ANTONIO


.13 DE JUNTO - DIA DE SANTO ANTONIO - Boas lembranças das festas juninas, fogueira, batata doce, quentão, pamonha, cachorro quente, amendoim, dança de quadrilha, casamento na roça, pau-de-sebo, dança da maçã, pescaria, corrida de sacos, corrida de ovo na colher, barraca do coelhinho, pescaria, argolas, derrubar latas, ruas enfeitadas de bandeirinhas. A fogueira era colocada no meio do campinho de futebol (os antigos terrenos baldios). Os adultos diziam para nós, os menores, que brincar com fogo leva a fazer xixi na cama. Os homens com chapéu de palha, bigode pintado com rolha queimada, camisa xadrez e remendos nas calças. As mulheres usavam vestidos estampados e o cabelo preso em Maria Chiquinha. E começava a quadrilha: Anavantur - anarriê - passeio na roça - damas para um lado - Changê de damas - changê de cavalheiros - balancê ...
E tinha o CORREIO ELEGANTE dos bilhetinhos apaixonados: "Se jogares fora esta carta, me amas. / Se rasgares, me adoras. / Se guardares, por mim choras. / Se queimares, comigo queres casar."As estrelas nascem no céu, / os peixes nascem no mar, / Eu nasci aqui neste mundo / somente para te amar!""As vezes fico pensando / pensando não sei em quê / mas no fim do pensamento / eu só penso em você."
E NO AUTO-FALANTE DAS QUERMESSES as mensagens oferecendo músicas e mensagens de amor: Atenção garota de trança e vestido vermelho, tem alguém te esperando atrás da barraca do coelhinho!
Esta música que vamos ouvir foi oferecida pelo João para a Maria; Esta música é dedicada ao rapaz de calça preta que está na barraca do quentão... quem mandou foi a morena de vestido branco que está na barraca do cachorro-quente.

3 comentários:

heli disse...

Doces lembranças Ney!
Como era gostoso fazer parte da quadrilha, das brincadeiras...
Lembro-me de ter sido a noiva umas cinco vezes, eu era a mais alta da classe e acabava casando com o rapaz mais baixinho da turma.Ficava um contraste meio estranho, mas era legal!Sem contar que os noivos sempre me abandonaram assim que acabava a festa.(rs)

ney disse...

Heli,
Foram de fato bons e inesquecíveis tempos, e não digo só pela juventude que tínhamos, mas pela liberdade das ruas sem violências, pelo contato maior com a natureza, pelas brincadeiras criativas. ney/

Edu&Grória Criando Arte disse...

Os bons tempos ainda continua tenho 68 anos e minha esposa 61 e continuamos fazendo parte da quadrilha todos os anos em nossa chacara com os filhos e netos, até quondo chegar a hora de embarcar no trêm que nos espera.
Abs
edu&gloria