19 agosto 2008

CHEGANDO JUNTO NUMA POLTRONA II






.
.




Em julho deste ano eu postei um texto falando do aconchego de uma poltrona, de se poder viajar no tempo, com música e poesia, ou ver um filme, no meu caso sou um cinéfilo desde criança. E nele coloquei alguns endereços falando sobre esse contexto, que ficou assim:

Pode-se ler livro, revista e jornal. Pode-se ouvir música, e de boa qualidade. Pode-se, ainda, deleitar-se com a poesia e a sétima arte. Trabalhar com imaginação e voar. A poltrona é isso.Pode-se muito mais, veja esse belo texto de CARLOS HOLBEIN, que fala do aconchego de uma poltrona e de como podemos viajar no tempo e na imaginação, e que fala de dois inesquecíveis filmes - ASSÉDIO E RETRATOS DA VIDA. Endereço abaixo ou no link acima.http://www.poltronaespecial.pro.br/agosto01.htmlEdição baseada no filme L'Assedio: http://www.youtube.com/watch?v=jocBqEXx1N8Bolero - Retratos da Vida (já comentado aqui): http://www.youtube.com/watch?v=ZMDjmGjsLBQ

************************

E hoje, navegando na internet, nos blogs da Andréa (autora do texto do post anterior), encontrei uma poltrona que ela descreveu lá em 2007, que fala também desse ambiente acolhedor que nos permite viajar no tempo, com o texto em inglês, que vou transcrever aqui traduzido tornando o blog bilingue, CHEGANDO JUNTO em outro idioma, pegando uma carona no blog da Andréa:

Wednesday, february 14, 2007

OLD http://www.virtualgravesite.blogspot.com/

Here I am, sitting in my old chair, thinking about nothing. Maybe some day I’ll think about important things, but not today. This day is an old one. A day for rest only, and for trying to remember how things were. Are you following me? Can you understand how old my thoughts are tonight? They smell like flowers and burnt sugar, they feel like silk and pure mountain water. The taste in my mouth is orange from the tree and chocolate from a box. Can’t you feel it? The rain is friendly and falls like sweet tears from the sky. The rain is old, too. It fell on me, a long time ago, on a sunny day in a countryside landscape. The drops make me fell new and the smell of the earth is fresh. Can’t you feel it? My skin is cold but it doesn’t feel wrong, my fingers run over the keyboard like bird’s wings. Wings.... I have wings in my mind, always had, this is old news too. I hear the sound of the wings, like a million bats crossing the night. Old things, old thoughts, old wings. I’m happy I can feel old like that, happy that the sounds, smells and feelings are still present in my spirit. Now, stay still, the moment can run away from here if you don’t stay very, very still. I can hear the pages of the books turning like a mad windmill. A thousand words jump from their pages and make a dance for my old thoughts. Time to rest, leaving all behind me, leaving, for tomorrow, the old things of my mind.

Aqui estou eu, sentada na minha velha cadeira, pensando sobre o nada. Talvez algum dia eu pense em coisas importantes, mas não hoje. Este dia é um velho dia. Um dia para o descanso somente, e para tentar me lembrar de como as coisas eram. Está me entendendo? Pode entender o quão velhos são meus pensamentos esta noite? Eles tem o cheiro de flores e de açúcar queimado, são como a seda e a água pura da montanha. O gosto em minha boca é de laranja do pé e chocolates em caixas. Você pode sentir? A chuva é amigável e cai sobre a terra como doces lagrimas do céu. A chuva é velha também. Ela caiu sobre mim há muito tempo atrás, em um dia ensolarado em uma paisagem interiorana. As gotas de chuva fazem com que eu me sinta nova e o cheiro da terra é fresco. Pode sentir? Minha pele está gelada, mas isso não parece errado, meus dedos correm pelo teclado como as asas de um pássaro. Asas... Tenho asas em minha mente, sempre tive, essa noticia também é velha. Eu escuto o bater das asas, como se milhares de morcegos cruzassem a noite. Coisas velhas, pensamentos velhos, velhas asas. Fico feliz de poder me sentir assim velha, feliz que os sons, cheiros e sentimentos ainda estão presentes em meu espírito. Agora, fique bem quieto, o momento pode fugir se não ficar absolutamente parado. Eu posso escutar as paginas dos livros girando como um moinho ensandecido. Um milhão de palavras pulam de suas paginas e fazem uma dança para meus velhos pensamentos. Hora de descansar, deixando tudo para trás, deixando para amanhã, as velhas coisas da minha mente. Andréa Claudia Migliacci.

Um comentário:

Andréa C disse...

Achei sem querer... Obrigada pela citação. É sempre bom sentir que o que escrevemos impacta alguem o sufuciente para que pensem em reproduzir.
Estava procurando algo que escrevi há muito tempo, não sei para onde, nem direito o que era... :) O bom é que na pesquisa me achei aqui!
Tks.
Kisses
Andréa C Migliacci