07 setembro 2010

AS BOAS LEITURAS

Querendo ou não, somos influenciados por tudo e por todos a nossa volta, pelo pensamento universal através dos tempos. Acho que minha geração foi incentivada a leitura, não tínhamos tantos meios de comunicação como hoje, e a juventude dos "anos dourados" passou por um período de grandes transformações políticas, sociais e econômicas. O mundo explodia em progresso, tecnologias, em música, cinema, artes em geral. Acho que vivemos tantos avanços e saltos para o futuro, que os últimos 60 anos correspondem a séculos de historia da humanidade.
Foi tudo tão rápido que talvez tenhamos deixado de vivenciar algumas etapas, ou pensado mais no ser produtivo esquecendo o humano, ou descuidado da harmonia com a natureza, da qual fazemos parte. Ficamos mesmo numa roda viva nos levando, tanto que agora já se pensa numa possível desaceleração pela sobrevivência de todos e do planeta. Vamos torcer e nos empenhar por melhores caminhos.
Acho que fui me estendendo e fugi ao tema. É que de todas as leituras, nacionais e estrangeiras, todas de muita essência e importância na nossa formação, principalmente na juventude, a de Jorge Amado me disse com mais intensidade, e identidade com um jeito brasileiro de ser. Nunca soube entender e explicar bem isso, mas ao ler o belo trabalho que segue (PUC-SP / Dra. Edilene Dias Matos), visualizei melhor.
Ela começa dizendo:
Para Jorge Amado escrever era transmitir vida. "Nenhum crítico ensina ninguém a escrever", dizia ele com convicção. Transmitir vida significava, sem dúvida, a possibilidade de pôr o mundo de cabeça para baixo, tornando-o mais humano e mais alegre. O homem e as várias dimensões e facetas do humano - a própria "carnadura do mundo" A liberdade é concebida tanto no plano individual como no plano social. A função simbolizadora da imaginação não pretende uma verdade científica, mas uma verdade contida nas percepções. O imaginário, espaço que abriga a imaginação, delineia, em oposição a uma verdade científica, uma verdade de ordem perceptual, que não deixa de ser uma verdade também. NA ÍNTEGRA EM: http://www.apropucsp.org.br/apropuc/index.php/revista-cultura-critica/29-edicao-no5/86-do-recente-milagre-dos-passaros-um-conto-de-jorge-amado

6 comentários:

Suziley disse...

Verdade perceptual, genial!! Eu também gosto muito das obras de Jorge Amado, Ney. Uma delas, transformada em filme, A morte e a morte de Quincas Berro D'água, é de uma humanidade impressionante, para mim. Adorei a sua postagem. Leitura é tudo de bom. Um grande abraço, boa noite ;)

Fernanda disse...

Amigos Heli, Ney e Jardeco!

Passei para dar um olá a todos.
Estava com saudades de vocês, mesmo...
Vi a Heli por aí num Blog amigo e vim até cá.

Abraço apertado a todos.

ney disse...

Suziley,
Acho que li todos os livros de Jorge Amado, e reli alguns, e li nos momentos certos, quando mais poderiam me dizer. E todos os filmes, especiais, minisséries, novelas, teatro. Boa noite! Abraço/ney.

ney disse...

Fernanda,
Obrigado pela presença, pelo carinho e atenção de sempre. Grande abraço/ney.

heli disse...

Ney.
Seu texto nos leva à reflexão de muitos assuntos relacionados ao nosso cotidiano, entre eles o grande valor que devemos dar à leitura.
Ler um livro, pelo prazer de ler, sem imposição da escola, está se tornando uma atividade em extinção.

Gostei muito da sua postagem!

heli disse...

Fernanda.
Fiquei muito feliz com a sua visita, volte sempre que desejar.
beijos