12 janeiro 2011

CHUVAS DE VERÃO


foto ney (clique para ampliá-la)

Puxa! Quanta chuva nesta região sudeste, São Paulo, Minas, Rio.
As nuvens escuras vão chegando e logo encobrindo as montanhas e derramando suas águas sobre as cidades. Tantas calamidades e sofrimentos, aqui e no hemisfério norte que sofre com as nevascas e outros fenômenos. Acho que nos dizem mesmo que não chegamos junto com a natureza, poluimos o planeta de muitas maneiras, ocupamos espaços de forma desordenada... assim confirmam os especialistas. Mas esses desastres também tiveram dimensões fora do comum.

3 comentários:

Luís Coelho disse...

Este tema sufoca-nos a todos.
Os anos vão mostrando os nossos erros e aos poucos a natureza mostra o seu descontentamento.
Se não mudarmos muitos dos nossos hábitos e se não começarmos a respeitar mais a natureza estaremos todos mortos dentro de poucas decadas.

heli disse...

Temos visto através dos tele jornais o quanto está caótica a situação no Rio de Janeiro, em São Paulo e outras cidades.
As imagens mostradas nos deixam sem palavras diante de uma realidade que tende a piorar a cada dia que passa.
Concordo com o Luís, se não mudarmos muito os nossos hábitos as coisas os desastres ecológicos vão piorar ainda mais!
Que dura realidade estamos presenciando...

11:20 AM

ney disse...

É mesmo muito triste e gigantesca essa tragédia, com terríveis e longas consequências. Foi um desastre de proporções bem maiores do que se poderia imaginar, fora do comum, de ação destruidora muito rápida, mas não podemos dizer que imprevisível, até porque já aconteceu outras vezes. E a medida que as ocupações crescem e vão acontecendo de forma desordenada, maiores são as possibilidades dessas catástrofes.
A geografia dessas regiões diz por si só, aprendemos no colégio, na vivência do tempo, observando, constatando, e as tempestades de verão são conhecidas de todos.
Até mesmo quando o dia parece totalmente limpo, céu azul, lá no alto da serra podem acontecer chuvas fotes e as águas descem em alta velocidade, carregando tudo pelo caminho, são as chamadas "cabeças d'água". Nos parques nacionais colocam muitos avisos, mas muitas famílias são carregadas pelas águas dos rios tomando banho em poços, cachoeiras, piscinas formadas pelas pedras, desatentas aos cuidados necessários.
O mesmo acontece com caminhadas nas florestas, montanhas, banhos de mar, os avisos de cuidados básicos estão ditos, escritos, de todas as formas, mas muitos não ligam.
Homem e natureza precisam chegar juntos em harmonia. A força da natureza é gigantesca e pode nos surpreender, mas atentos e com cuidados básicos podemos evitar ou diminuir essas tragédias. E os fenômenos quase sempre nos dão sinais de sua chegada.///////