27 dezembro 2010

Natal, Uma História Diferente!

O Encontro de Natal

- Vai graxa aí patrão?
Ele olhou para os sapatos empoeirados e respondeu: - Vai sim. Em seguida, pensou na dureza da vida de engraxate, agora que todo mundo só calça tênis. O menino, franzino, não tinha mais do que oito anos e, em vez de boné, usava um gorro de papai Noel. Foi quando o "patrão" perguntou:
- Onde você mora?
- Na rua.
- Você não tem casa?
- Tinha, mas minha vó mandou a gente embora.
- Por quê?
- Porque minha mãe falou que o vô era meu pai. Aí a vó disse que ela tava louca e pôs a gente para fora de casa... Minha mãe é aquela ali, ó. (Aponta para uma mulher maltrapilha sentada na calçada, do outro lado da rua).
- Qual é o nome dela?
- Nazaré.
- E você tem ou não tem pai?
- Tenho. Tô aqui esperando ele chegar. 
- Onde ele mora?
- Em Mirassol. Esse ano ganhou indulto de Natal. Ele disse que vai trazer uma bola de presente para mim, para a gente jogar futebol.
(o Terminal Barra Funda, em São Paulo, é onde param os ônibus que vem dos presídios do interior do estado)
- Poxa, que legal! É a primeira vez que ele sai de lá?
- É.
- Há quanto tempo ele está preso?
- Desde que eu nasci.
- E o que foi que ele fez?
- Ele matou meu vô.
- Por quê?
- Porque ele disse que o vô "estrupô" minha mãe.
- Ah... E você sabe o que é isso?
- Não. Mas meu pai me disse que minha mãe não é louca e que ficou daquele jeito por causa dos remédios que deram para ela no posto. É que tentaram envenenar ela...
- É mesmo?
- É, minha tia me falou. Quando ela saiu do hospital tava assim. Ela quase não fala mais, quando fala diz que eu tenho dois pais: o papai do céu e o papai do chão. Aí ela ri, depois ela chora, aí começa a bater nela... A gente tem que segurar, para ela não se machucar.
- Quanto custou o sapato?
- Nada.
- Como assim?
- Você não viu que hoje eu sou o papai Noel?
- Ah, entendi, o gorro...
- Sabia que hoje é dia mais feliz da minha vida?
- Não, por quê?
- Porque é meu aniversário e vou encontrar meu pai.
- E como chama seu pai?
- José. 
O "patrão" se despediu e, enquanto caminhava apressado, sem olhar para trás, chorou. Um choro que não era dele, mas da dor representada pela doce e alegre figura do pequeno filho de Nazaré. 

Excelente conto de 'Natal' do Marco Aurélio Melo
DoLaDoDeLa

--
>>>>>>>>>>>>>
Abraços
René Amaral

2 comentários:

Lua Nova disse...

Um retrato triste de um povo relegado ao descaso sistemático e histórico de governos corruptos e indecentes. Amanhã esse menino será mais um "perdido" nessa vida triste e será tratado como se tivesse escolhido sua situação.
Enquanto isso, mocinhos bonitos, classe média, estão por aí matando mendigos, surrando homossexuais, pondo fogo em índios, maltratando nordestinos, assaltando e matando. Esses sim tiveram escolhas, esses poderiam ser decentes seres humanos, ajudar a melhorar o país em que vivem.... pior, esses nem sempre serão punidos.

"Mas a qualquer que muito for dado, muito se lhe pedirá..." Lucas 12:48

Uma história muito bem escrita, emocionante e triste. Admirável.
Te convido a conhecer meu blog.
Beijokas.
Seguindo...

heli disse...

Ney.
O que dizer diante de uma realidade que nos assusta?
beijos